ASPECTOS ANATÔMICOS DO INTESTINO DE CICONIA MAGUARI

  • Rafaella Mendes
  • Micaela Ramos do Amaral
  • Matheus Borges Rodrigues Santos
  • Erick Candiota Souza
  • Amarilis Díaz de Carvalho
  • Paulo de Souza Júnior
Rótulo Anatomia, animal, João-grande, Sistema, digestório

Resumo

Ciconia maguari, popularmente conhecido por joão-grande, é uma ave silvestre da ordem Ciconiiformes e família Ciconiidae que habita território da Argentina, Bolivia, Chile, Colombia, Guianas, Paraguai, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai, Venezuela e estados do centro-oeste e sul do Brasil. Sua dieta consiste de pequenos vertebrados (peixes, anfíbios e lagartos) e insetos. Embora exista riqueza de detalhamento anatômico das espécies de aves domésticas, verifica-se uma escassez de dados sobre espécies silvestres. O objetivo deste trabalho foi descrever a anatomia do trato intestinal do C. maguari. Para tal, foi analisado um espécime macho recolhido morto na rodovia BR-472, no município de Uruguaiana, RS (autorização SISBIO 33667). O cadáver foi fixado e conservado em solução de formaldeído a 10% e dissecado oportunamente. Durante a dissecação foram reconhecidos os segmentos intestinais e os mesmos mensurados com paquímetro digital, sendo realizada a medida de comprimento da cavidade celomática com o uso de uma fita métrica. Como resultado, observou-se que as delimitações intestinais são escassamente diferenciadas. O comprimento da cavidade celomática era de 33,8 cm. O duodeno formou uma alça, semelhante à letra U, envolvendo o pâncreas. No jejuno-íleo, segmento disposto em arranjo de alças na região mais caudal da cavidade celomática, foi localizado um divertículo do saco vitelínico (divertículo de Meckel) pouco desenvolvido, que marcou a divisão macroscópica entre o jejuno e íleo. Este divertículo é uma estrutura constituinte do tecido linfoide secundário das aves que o apresentam, assim como um resquício embrionário do saco vitelínico, o qual persiste na cavidade celomática pra nutrir o filhote durante as primeiras horas de vida. Os cecos eram rudimentares, possivelmente em razão do hábito alimentar carnívoro. O segmento final, cólon-reto, abria-se no coprodeu da cloaca. O comprimento do duodeno foi 59,89 cm, do jejuno foi 56,01 cm, do íleo foi 57,18 cm e do cólon-reto foi 9,07 cm. O lúmen destes quatro segmentos, no terço inicial, mediu 4,74 mm, 3,86 mm, 3,43 mm e 6,22 mm, respectivamente. Pode-se concluir que o intestino do C. maguari apresenta dimensões e características compatíveis com uma dieta baseada em pequenos vertebrados. Tais dados podem servir como parâmetros de comparação para outras espécies de aves silvestres e para embasar a elaboração do manejo nutricional destas aves em cativeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
MENDES, R.; RAMOS DO AMARAL, M.; BORGES RODRIGUES SANTOS, M.; CANDIOTA SOUZA, E.; DÍAZ DE CARVALHO, A.; DE SOUZA JÚNIOR, P. ASPECTOS ANATÔMICOS DO INTESTINO DE CICONIA MAGUARI. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.