DIOCTOPHYME RENALE: DESENVOLVIMENTO DE CASO EM UM CANINO

  • Márcia Lara
  • Márcia Garcia Lara
  • Hany Trindade Cargnelutti
  • Luane Rodrigues de Oliveira
  • Scarlette Bardim Arebalo
  • Eduardo Garcia Fontoura
  • João Pedro Scussel Feranti
Rótulo rins, nematódeo, nefrectomia, ultrassonografia

Resumo

Introdução: O Dioctophyme renale, é um nematódeo que pode atingir até um metro, de ocorrência mundial e inespecífica quanto aos hospedeiros. Durante o ciclo evolutivo vários animais podem fazer parte como hospedeiro definitivo, destacando canídeos, felinos e o homem. O parasitismo no rim faz com que os ovos sejam eliminados pela urina, passando longos períodos no ambiente até parasitarem anelídeos, e em algumas situações ao serem ingeridos por répteis ou peixes, e então parasitar animais de hábitos alimentares indiscriminados. Mesmo o órgão de eleição sendo o rim, as manifestações clínicas podem não ocorrer visto a compensação do rim contra-lateral. Em seu ciclo biológico o parasito ocorre com maior prevalência em ambientes aquáticos, onde cães errantes e ribeirinhos são os mais acometidos pelo acesso direto a fontes de contaminação. Os sinais clínicos podem cursar com ascite, peritonite, disúria, uremia, dor renal e hematúria ao final da micção. Métodos de diagnóstico englobam a sedimentação da urina, ultrassonografia ou pelo achado do parasita em necrópsia. O único tratamento eficaz é a remoção cirúrgica. Objetivo: Com isso, objetivou-se relatar um caso de diagnóstico e tratamento de um canino assintomático parasitado por D. renale. Materiais e métodos: Durante a rotina de atendimento do núcleo de ensino, pesquisa e extensão em pequenos animais, foi atendido um canino, SRD, de cinco anos, pesando 7,6kg. Na prática o paciente foi submetido a exame semiológico geral e encaminhado para ultrassonografia abdominal, durante o exame, o rim direito foi caracterizado pela presença de diversas formações circulares hiperecogênicas em corte transversal e alongadas ao corte longitudinal; ausência de regiões cortical e medular, presença de líquido livre delimitado pela cápsula renal, sendo sugestivo de parasitismo por D. renale. Resultados: Se procedeu a coleta de urina onde se foram observadas, através da técnica de sedimentação, diversas formações elípticas com casca espessa e coloração marrom, também compatíveis com ovos do parasito. O paciente foi encaminhado para procedimento cirúrgico de retirada do verme e consequentemente do rim. Como medicação pré anestésica foi utilizado metadona (0,3mg/kg i.m.) e para indução anestésica diazepan (0,4mg/kg i.v.) e propofol com dose efeito; a manutenção com isoflurano vaporizado em O2 a 100% em circuíto reinalatório com respiração assistida. O procedimento cirúrgico envolveu uma celiotomia pré-retroumbilical onde foi realizado nefrectomia radical. Com a remoção cirúrgica, foi retirado um verme, fêmea, de 76 centímetros de comprimento onde a mesma ocupava toda cápsula renal. Conclusão: A pesquisa por ovos, aliada a ultrassonografia é extremamente importante em regiões onde o parasito pode ser considerado epidêmico, sendo a cirurgia de remoção do parasito, o único método cabível para a resolução do quadro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
LARA, M.; GARCIA LARA, M.; TRINDADE CARGNELUTTI, H.; RODRIGUES DE OLIVEIRA, L.; BARDIM AREBALO, S.; GARCIA FONTOURA, E.; PEDRO SCUSSEL FERANTI, J. DIOCTOPHYME RENALE: DESENVOLVIMENTO DE CASO EM UM CANINO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.