AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA IN VITRO DE FIPRONIL A POPULAÇÕES DE CAMPO DE RHIPICEPHALUS MICROPLUS

  • Samantha Canto
  • Camila dos Santos Lagranha
  • Tiago Gallina Correa
Rótulo Rhipicephalus, microplus, Fipronil, Resistência

Resumo

Possuindo o maior rebanho comercial de bovinos do mundo, o Brasil enfrenta problemas para desenvolver a atividade pecuária, onde parte das perdas econômicas são ocasionadas pelo Rhipicephalus microplus, conhecido como carrapato do boi, que é o ectoparasito que tem grande parte de sua vida sobre o hospedeiro e se alimenta de sangue, de modo que os danos causados pelo ácaro ao hospedeiro, são proporcionais ao grau de infestação. No Rio Grande do Sul, zona de instabilidade enzoótica, o uso de acaricidas constitui o principal instrumento de controle para o carrapato bovino, porém o uso indiscriminado, tornou a resistência inevitável. Diversas classes de acaricidas foram surgindo ao longo do tempo e cada uma delas foi seguida pelo uso rotineiro e consequente desenvolvimento da resistência. Os fenilpirazois foram desenvolvidos na década de 1980 e por volta dos anos 90 surgiram no mercado, tendo sua resistência registrada no início dos anos 2000. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do acaricida fipronil in vitro, a partir de cepas de campo em exames de biocarrapaticidogramas entre os meses de janeiro de 2017 a julho de 2019. O estudo foi realizado no Laboratório de Parasitologia Veterinária da UNIPAMPA- Uruguaiana utilizando-se o teste de imersão de adultos, para avaliação da eficácia in vitro do acaricida. De acordo com os dados observados a partir dos biocarrapaticidogramas executados, há um aumento gradativo a cada ano da porcentagem de populações do R. microplus cada vez mais resistentes ao fipronil. Em 2017, concluiu-se que já existiam na fronteira oeste 72,91% de resistência do R. microplus, que seguiu para 82.5% no ano seguinte e até o momento 89,74% de populações resistentes até julho deste ano (2019), na região. No Uruguai, onde se deu o primeiro diagnóstico de resistência ao fipronil, as populações de carrapatos estão restritas a região agrícola em que uso do produto nas culturas foi massivo. Enquanto no Brasil propriedades que usavam o inseticida para o controle de cupins e não usavam nos animais, também adquiriram resistência. As populações de ixodideos resistentes a molécula de fipronil, de acordo com os dados analisados na fronteira oeste mostra um crescimento de 8.3% ao ano. Esse aumento está diretamente relacionado ao uso indiscriminado e inadequado dos princípios ativos disponíveis no mercado. Outros fatores que contribuem, para esta seleção indesejada, é o número de tratamentos realizados anualmente, segundo levantamento realizado no Rio Grande do Sul, são feitos de 18 a 24 tratamento anuais. Além de que ocorre na fase em que as teleóginas são perceptíveis a distância nos bovinos, fator este, que contribui para seleção de populações resistentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
CANTO, S.; DOS SANTOS LAGRANHA, C.; GALLINA CORREA, T. AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA IN VITRO DE FIPRONIL A POPULAÇÕES DE CAMPO DE RHIPICEPHALUS MICROPLUS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.