INFLUÊNCIA DO TIPO DE SECAGEM NO RENDIMENTO INDUSTRIAL DE ARROZ

  • Mayara Comis
  • Marcos da Silva Almeida
  • Tiago André Kaminski
Rótulo umidade, secagem, escalonada, beneficiamento

Resumo

A recepção e estrutura de secagem do arroz representam gargalos no fluxo de produção no período de safra, o que reduz a cadência operacional e pode comprometer a qualidade dos grãos. Nessa situação é comum a prática da secagem escalonada, na qual a umidade do arroz é reduzida para valores entre 15 e 16% até a estrutura ficar disponível à realização da secagem para valores em torno de 13%, recomendada para o armazenamento prolongado ou definitivo. Mesmo sendo prática comum, são poucas as referências científicas que tratam da secagem escalonada no arroz e, de forma geral, relatam similaridades de efeitos nos parâmetros físicos, desempenho industrial e culinário em relação à secagem completa. Nesse sentido, o trabalho se propôs a avaliar a influência da secagem completa e escalonada sobre o rendimento industrial de arroz. Três cultivares de arroz em casca (PUITÁ INTA-CL, BR-IRGA 409 e IRGA 424) com umidade em torno de 20% foram coletadas, limpas, homogeneizadas e divididas por quarteamento. As amostras foram secas em secador de prova, sendo metade das amostras retirada do secador com 16% de umidade (secagem escalonada) e outra metade com 13% (secagem completa). Após resfriamento, as amostras foram embaladas e armazenadas por 30 dias, após esse período as amostras com 16% de umidade foram novamente secas até 13% de umidade. Após 90 dias, as amostras passaram por beneficiamento em máquina testadora de arroz e determinaram-se os rendimentos em porcentagem de grãos inteiros, quebrados e benefício. As cultivares BR-IRGA 409 e IRGA 424 tiveram rendimento de grãos inteiros superiores à PUITÁ INTA-CL. A cultivar BR-IRGA 409 também apresentou rendimento de grãos inteiros superior na secagem completa em comparação à escalonada, 63,78 e 62,66%, respectivamente. As cultivares de arroz também diferiram no rendimento de grãos quebrados, com menor incidência para as cultivares BR-IRGA 409 e IRGA 424 na secagem completa e escalonada, respectivamente. O rendimento de benefício corresponde à soma dos grãos inteiros e quebrados. A cultivar IRGA 424 obteve rendimentos maiores que 70% nos dois tipos de secagem, superiores às demais cultivares, porém sem influência dos tipos de secagem testados. A secagem completa proporcionou maiores rendimentos de grãos inteiros e menor rendimento de grãos quebrados das cultivares BR-IRGA 409 e IRGA 424. Em nenhuma situação a secagem escalonada mostrou-se melhor que a completa na qualidade dos grãos. Os rendimentos avaliados na cultivar PUITÁ INTA-CL foram inferiores às cultivares do IRGA, mas não foram influenciados pelo tipo de secagem. Tais resultados sugerem que a secagem escalonada é prejudicial à integridade dos grãos de arroz. A desidratação do arroz em partes parece favorecer a ocorrência de fissuras, trincamento ou quebra dos grãos, ocasionando na redução do rendimento industrial. Nesse sentido, a melhor alternativa para a indústria de beneficiamento de arroz é investir em estruturas de recebimento e secagem dos grãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
COMIS, M.; DA SILVA ALMEIDA, M.; ANDRÉ KAMINSKI, T. INFLUÊNCIA DO TIPO DE SECAGEM NO RENDIMENTO INDUSTRIAL DE ARROZ. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.