ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE RESÍDUO OLEÍCOLA E INFLUENCIA DO PROCESSO DE SECAGEM

  • Ana Klein
  • Lucas Gomes Dos Santos
  • Andressa Carolina Jacques
  • Catarina Motta De Moura
Rótulo Bagaço, Resíduo, Fluxo, ar

Resumo

A valorização de subprodutos e resíduos das oliveiras se deve a presença de compostos bioativos que tem propriedades benéficas ao organismo como atividades antioxidante e anti-inflamatória e que não são totalmente extraídos durante o processo de extração do azeite, migrando para o bagaço. Em seu bagaço, há a presença de compostos fenólicos, entre eles estão o hidroxitirosol (HT) e a oleuropeína que possuem atividade antioxidante. Para um aproveitamento efetivos deste bagaço, tem-se como alternativa a secagem, sendo umaoperação unitária que consiste na remoção de água, ou de qualquer outro líquido, de um material sólido na forma de vapor, para uma fase gasosa insaturada, através do mecanismo de vaporização térmica, numa temperatura inferior à de ebulição A partir do exposto, o objetivo deste trabalho foi elaborar uma farinha a partir do bagaço oriundo da extração de azeite e quantificar seu conteúdo antioxidante a partir de um secador em leito fixo com escoamento paralelo e perpendicular do ar, comprando ao bagaço bruto para estimar as perdas. Foi utilizado o bagaço de oliveira da região de Pinheiro Machado - RS, que foi conduzido a UNIPAMPA Bagé, armazenados e congeladas em Ultra freezer à -80°C. Foi utilizado o secador de leito fixo na forma de túnel com escoamento paralelo e um de leito fixo com escoamento perpendicular do ar, ambos à 1,5m/s e 50°C. Para elaboração da farinha após a secagem, foi utilizado um moinho analítico. A capacidade antioxidante foi determinada por método espectrofotométrico com leitura à 517nm. O conteúdo de compostos antioxidantes encontrados para o bagaço bruto, farinha de bagaço à partir da secagem com escoamento de ar paralelo e perpendicular foi respectivamente 383,1; 212,09 ; 212,54 mg de trolox/100g de amostra seca. Não houve diferença significativa ao nível de 5% quando comparado os tipos de escoamento de ar, porém ambos diferiram do bagaço bruto antes da secagem.; Pode-se concluir que não houve diferenças entre o tipo de fluxo utilizado na secagem do bagaço, porém o aumento da temperatura para a elaboração da farinha, ocasionou em torno de 45% de redução da capacidade antioxidante. AGUIRRE, J. M.; FILHO, J. G. Desidratação de Frutas e Hortaliças. 1. ed. Campinas: [s.n.]. BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M. E.; BERSER, C. Use of a Free Radical Method to Evaluate Antioxidant Activity. Lebensm-Wiss. u.-Technology, v. 28, p. 2530, 1995. MOLINA-ALCAIDE, E., MARTIN-GARCIA, A., Y.-R. D. Los subproductos del olivar en la alimentación de rumiantes. p. 15, 2011.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
KLEIN, A.; GOMES DOS SANTOS, L.; CAROLINA JACQUES, A.; MOTTA DE MOURA, C. ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE RESÍDUO OLEÍCOLA E INFLUENCIA DO PROCESSO DE SECAGEM. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.