EXTRAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS DA PRÓPOLIS MARROM

  • Endrio Costa
  • Caroline Costa Moraes
  • Luciano dos Santos Almeida
Rótulo Fenólicos, Antioxidantes, Antimicrobianos

Resumo

Algumas civilizações muito antigas, como a egípcia, já demonstravam interesse na busca por substâncias naturais com diversas propriedades bioativas como coentro, funcho e losna, para enfrentar os mais diversos males. Todavia, dentre as substâncias naturais já usadas há muito tempo, destaque-se a própolis, pois existem relatos do seu uso desde meados de 300 a.C., sendo a própolis composta por substâncias resinosas, balsâmicas e gomosas, originada de abelhas através da mistura de secreções de vegetais frescos, podendo ser usada para diversas finalidades, principalmente como revestimento, protegendo contra calor, frio, insetos, vento, água e microrganismos. As características da própolis são afetadas diretamente por fatores geográficos e sazonais, pois os níveis de seus constituintes estão relacionados a região, clima, variedade das plantas, época do ano e espécie de abelha produtora, resultando em uma grande complexidade estrutural, que confere diversas propriedades bioativas, das quais, ressaltam-se as propriedades antimicrobianas, antioxidantes, cicatrizantes e anti-inflamatórias. No entanto, a própolis bruta não é ideal para fins industriais, pois pode conter impurezas, sendo necessárias técnicas de extração de seus compostos para viabilizar o seu emprego, reduzindo o teor de sujidades e permitindo a separação de substâncias de interesse. Tendo em vista isso, o presente trabalho teve como objetivo estudar diversos métodos de extração dos compostos bioativos da própolis marrom e a caracterização de seus compostos bioativos. Dessa forma a metodologia utilizada foi mediante a comparação de extratos aquosos obtidos por técnicas de banho metabólico e ultrassom, consistindo na caracterização das propriedades antimicrobianas pelo teste de inibição do crescimento microbiano por meio da ação do extrato bruto, compostos fenólicos totais pela reação colorimétrica de oxidação/redução usando Folin-Ciocalteu e atividade antioxidante total pela desativação do radical livre 1,1-difenil-2-picrilhidrazil (DPPH). Primeiramente a própolis foi liofilizada e moída para facilitar a extração aquosa dos compostos bioativos, dessa forma, prosseguiu-se com ensaios de 45 min de extração através das técnicas de banho metabólico com agitação a 70°C e ultrassom sem temperatura controlada, pois o processo de extração é capaz de elevar a temperatura da amostra pela vibração das partículas através das ondas sonoras, porém não se mantém constante. Os extratos obtidos na extração utilizando banho metabólico foram capazes de inibir o crescimento microbiano da Staphylococcus aureus, no entanto, não foram capazes de inibir a Escherichia coli, porém o mesmo não foi observado para os extratos gerados com a extração por ultrassom, na qual, não foram capazes de inibir o crescimento de nenhuma cepa microbiana. Quanto aos compostos fenólicos totais e atividade antioxidante total, os extratos obtidos por banho metabólico apresentarem o valor de 2,72 mg GAE.g-1 b.s. e 14,85%, respectivamente, enquanto a extração por ultrassom resultou em valores de 4,13 mg GAE.g-1 b.s. e 4,43%, respectivamente. Dessa forma, usando os resultados do teste de atividade antimicrobiana como fator determinante para adoção da técnica de extração, foram realizados ensaios variando o tempo de extração para o banho metabólico, nas quais, obteve-se extratos em 60 min de processo a 70°C com agitação, sendo que, os resultados para esses extratos no teste de atividade antimicrobiana foram iguais aos obtidos durante a extração por 45 min para essa mesma técnica, porém alcançou melhores valores para compostos fenólicos totais com 4,16 mg GAE.g-1 b.s. e para atividade antioxidante total com 19,66%. Conclui-se que o tempo e a temperatura de extração são determinantes para extração de compostos bioativos da própolis, tendo em vista que a melhor condição de extração foi através de banho metabólico a 70°C durante 60 minutos, pois além de ser capaz de inibir a cepa microbiana gram positiva, apresentou resultados maiores para compostos fenólicos totais com 4,16 mg GAE.g-1 b.s. e 19,66% para atividade antioxidante total.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
COSTA, E.; COSTA MORAES, C.; DOS SANTOS ALMEIDA, L. EXTRAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS DA PRÓPOLIS MARROM. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.