A ÉTICA NO DESENVOLVIMENTO DA COOPERAÇÃO HUMANA

  • Vitória Zveibil Sales
  • Deisemara Turatti Langoski
Rótulo Engenharia, biológica, tecnologias, Direito, ética, Cooperação, humana

Resumo

A ÉTICA NO DESENVOLVIMENTO DA COOPERAÇÃO HUMANA Vitória Zveibil Sales, discente da graduação em Direito, Universidade Federal do Pampa, Campus Santana do Livramento. Deisemara Turatti Langoski, docente orientadora, Universidade Federal do Pampa, Campus Santana do Livramento. e-mail primeira autora- vitoriasales@unipampa.edu.br O presente resumo tem por intuito estudar se os avanços teóricos do tema ética aliada às novas tecnologias que relacionam-se com a área da engenharia biológica, tem o condão de influenciar na elaboração das normas legais, em face da conjuntura sócioeconômica e geopolítica em que o ser humano está inserido mundialmente, a fim de que haja um potencial desenvolvimento da cooperação humana. A análise fundante partiu das ideias de Yuval Noah Harari, reveladas no livro Sapiens: uma breve história da humanidade em que o autor tece questionamentos a respeito das modernas tecnologias alcançadas pelos seres humanos (sapiens, como afirma em sua obra) e, se estas produzem a destruição, a transformação ou o melhoramento da cooperação. A pesquisa não almeja alcançar apenas a área jurídica; mas também envolve a discussão da ética em novos experimentos com seres humanos, que já são realidade (caso ocorrido com as gêmeas Lulu e Nana; nomes fictícios, a fim de preservar a identidade das crianças, que antes de nascerem, tiveram os seus genes editados pelo cientista He Jiankui, com a finalidade de criar seres humanos resistentes ao vírus HIV), bem como, se os novos saberes científicos, consistem em aproveitamentos que contribuam com o melhoramento da vida das pessoas ou, tão-somente para pesquisas e explorações teóricas. Como procedimentos metodológicos, utilizou-se a pesquisa exploratória e bibliográfica, com o método de abordagem dedutivo. O estudo realiza uma breve apresentação do que estabelece a engenharia biológica; examina de que forma o ser humano se apropria deste saber, a fim de favorecer sua forma de vida, através de métodos cooperativos. Em sequência, exemplifica por meio de experimentos comprovados e caracterizados cientificamente, como o ser humano, que antes alterava o DNA de seres que não eram semelhantes a si (animais, plantas) passou a modificar o seu próprio genoma e criar humanos com DNAs divergentes do original, acarretando o questionamento das consequências legais e éticas neste tipo de procedimento. A alteração de genomas e suas implicações consiste em algo um tanto desconhecido, eis que utilizar vidas humanas para este propósito trata-se de processo nos preceitos da ética? E, se estes feitos acontecem, quais os conteúdos legais devem ser abordados para regulamentar estas ou, futuras ações análogas, desde que a cooperação para o aperfeiçoamento da vida humana (por exemplo a questão da saúde) esteja entre os destes estudos? Para complementar uma indagação: as normas legais são autosuficientes para que os seres humanos possam se proteger de si mesmos e para qual futuro se destina o desenvolvimento do sapiens nos termos proposto por Harari? A edição genética não deve, unicamente, ser utilizada para corrigir defeitos genéticos das ditas anomalias genéticas (doenças genéticas raras) ou para curar alguma enfermidade insanável, como é o atual caso da AIDS, precisa sim, servir para o progresso da vida dos seres humanos, como um indivíduo com uma memória mais desenvolvida, a título de exemplo. E, desta forma, pode-se, do mesmo modo fomentar uma maior cooperação entre os homens, eis que as pesquisas científicas carecem de ser muito mais difundidas, compartilhadas e, transformadas em benefícios e amparos para a população, a fim de que se possa alcançar um mundo o mais equânime possível, no que diz respeito às desigualdades sociais (saúde, educação, moradia, alimentação, etc.). Atualmente, poucos homens possuem riquezas e acesso aos melhores recursos e, a grande maioria dos seres humanos, limitam-se ao mínimo para a sobrevivência. Isto não condiz com uma ética para a cooperação humana. Neste tempo da humanidade, é fundamental agregar os saberes cada vez mais em busca dos direitos, sendo que perfaz-se necessário um complexo de normas que traduzam e garantam metodologias científicas compatíveis com a ética, o desenvolvimento e a cooperação entre os homens. Agradecimentos: UNIPAMPA. Palavras-chave: Engenharia biológica e tecnologias; Direito e ética; Cooperação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
ZVEIBIL SALES, V.; TURATTI LANGOSKI, D. A ÉTICA NO DESENVOLVIMENTO DA COOPERAÇÃO HUMANA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.