O IMPACTO DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS DO GOVERNO BOLSONARO NAS RELAÇÕES DO BRASIL COM A UNIÃO EUROPEIA

  • Laura Cadaval
  • Ana Eliria Bonafé de Moura
  • Heloisa Milena Pazzinato Pereira
  • Eduarda de Cezaro Koehler
  • Leticia Britto Dos Santos
Rótulo Meio, ambiente, Governo, Bolsonaro, Políticas, Ambientais, União, Europeia, Relações, Internacionais

Resumo

Desde 2019, o Brasil enfrenta graves problemas de relação cooperativa internacional com a União Européia, devido à negligência às políticas ambientais que o país apresentou, resultando em sanções comerciais do bloco ao país. Por isso, tendo em vista que os recentes retrocessos ambientais têm efeitos a nível global, é de suma importância analisar suas implicações para a política externa do Brasil com países que dispõem como prioridade em suas agendas a regulamentação do meio ambiente, destacando os Estados-membro da União Europeia, responsáveis pelas mais relevantes críticas à administração de Jair Bolsonaro. No decorrer de seu mandato, o atual presidente do Brasil, desvalorizou as políticas de proteção ambiental, isso se explica pela queda no orçamento do Ministério do Meio Ambiente, já que este teve, em 2021, o menor investimento das duas últimas décadas. Isso impactou o desmantelamento de instituições responsáveis pela preservação da fauna e flora brasileira e a redução substancial no número de multas aplicadas por crimes ambientais. Ademais, Bolsonaro manteve sua promessa de não demarcar nem um centímetro de terra indígena, viabilizando a invasão por parte de madeireiros, grileiros, caçadores e pescadores. Todas essas questões são de suma importância para a União Europeia, que possuem uma visão de protecionismo ambiental em todas as suas ações. Para tal investigação, foram utilizadas fontes jornalísticas da mídia brasileira e estrangeira, tais como G1 e BBC News, do mesmo modo foi necessário utilizar dados de importantes institutos de pesquisa como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM). Além disso foi realizada, uma pesquisa documental, com base no histórico das ações realizadas pelo governo atual 𑁋 de 2019 até parte de 2022 𑁋 para acompanhar os desdobramentos das políticas ambientais no país e suas repercussões no cenário internacional. Em 2019, primeiro ano de mandato de Jair Bolsonaro, as empresas suecas Paradiset e H&M boicotaram produtos brasileiros devido aos 1800 agrotóxicos liberados e o desmatamento da Amazônia. No mesmo ano, a imprensa europeia principalmente a alemã cobria as alarmantes queimadas que se alastram pela Amazônia, fazendo fortes críticas às medidas anti-ambientalistas realizadas pelo governo e pressionava seus respectivos países a cessarem relações econômicas com o Brasil. Nesse sentido, países pertencentes à União Européia julgaram contraprodutivo continuar comercializando com o Brasil e investindo no mesmo, uma vez que a imagem aversiva a preservação do meio ambiente que o país passa ao exterior não condiz com a visão do bloco para o mesmo tema. Sendo assim, a Noruega e Alemanha suspenderam doações para o Fundo Amazônia e o acordo entre a União Europeia e o Mercosul, discutido há cerca de 20 anos, estagnou. Um importante fator na descontinuação do acordo foi a oposição do Primeiro-Ministro da França, Emmanuel Macron, o qual julgou necessário um distanciamento com o país até que novas medidas ambientais sejam revistas. Corroborando com as afirmações do governante francês, recentemente o Parlamento Europeu aprovou uma proposta de lei que proíbe a comercialização de produtos provenientes de áreas desmatadas mundialmente, visando, principalmente, alertar o Brasil para a importância da ética ambiental e humanitária na construção das negociações internacionais. Portanto, a própria União Europeia pressiona o Brasil com aparatos econômicos para mudanças urgentes, visto que o país é importante mundialmente com seus recursos naturais, destes que geram acordos e tratados importantes nos mais diversos espaços de discussões ambientais. É de interesse do país, nas melhores condições, aderir a uma agenda ambiental mais consciente, visando a manutenção dos importantes vínculos comerciais com os países pertencentes à União Europeia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
CADAVAL, L.; ELIRIA BONAFÉ DE MOURA, A.; MILENA PAZZINATO PEREIRA, H.; DE CEZARO KOEHLER, E.; BRITTO DOS SANTOS, L. O IMPACTO DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS DO GOVERNO BOLSONARO NAS RELAÇÕES DO BRASIL COM A UNIÃO EUROPEIA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.