RUBRICAS COMO FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM NO ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL

  • Juliana Alves Dávila
  • Sonia Maria da Silva Junqueira
Rótulo Ensino, geometria, Percepção, visual-espacial, Rubrica, avaliação

Resumo

A geometria faz parte do mundo, desde a pré-história aos dias atuais, basta olhar ao redor para encontrar formas geométricas em lugares distintos e em variadas situações do cotidiano. Porém, os estudantes apresentam dificuldades na aprendizagem de geometria espacial em sala de aula, já que as figuras geométricas espaciais são geralmente representadas de forma bidimensional, sejam nas páginas dos livros ou em quadros negros. Para que o estudante possa entender conceitos de figuras tridimensionais é imprescindível que ele desenvolva a habilidade conhecida como visualização espacial. No entanto, a visualização espacial não é simples, é uma habilidade de caráter individualizado, que envolve muitos aspectos, como interpretar e fazer desenhos, formar imagens mentais e visualizar movimentos e mudanças de formas. Nesse contexto, faz-se necessário encontrar novas abordagens pedagógicas, que proporcionem experiências inovadoras e formas alternativas para o desenvolvimento do pensamento geométrico. Muitos pesquisadores da área da Educação Matemática, tanto no cenário brasileiro, quanto internacional, investigam os processos de ensino e a aprendizagem da geometria. Um desses processos é a avaliação da aprendizagem, que tem por finalidade acompanhar e compreender como estão se concretizando os processos de aprendizagem escolar, oferecendo informações relevantes, para o planejamento e replanejamento contínuo da atividade de professores e estudantes. Nesse âmbito, um instrumento de avaliação que vem ganhando espaço na educação é a rubrica de avaliação. A rubrica é um instrumento que permite ao professor desenvolver e sistematizar critérios de avaliação em relação aos objetivos de aprendizagem pretendidos. Nesse sentido, ao avaliar por rubricas, o professor sinaliza critérios para informar a cada estudante como prosseguir na sua trajetória para alcançar a aprendizagem desejada. Dessa forma, a rubrica possibilita tanto verificar as aprendizagens alcançadas ao fim de uma atividade, como também, identificar como são resolvidas as situações que são colocadas aos estudantes, assim como as estratégias utilizadas por eles, além de estimular a autonomia dos estudantes ao longo do processo, pois reconhecem com o apoio das rubricas as intenções da avaliação. Nessa direção, este trabalho tem por objetivo apresentar resultados de uma revisão de literatura, que buscou por pesquisas que articulem os processos de ensino aprendizagem de geometria, no âmbito da percepção visual espacial, com a utilização de rubricas de avaliação. A fim de compreender em maior profundidade a temática escolhida nesta investigação, como metodologia foi realizada uma revisão sistemática de literatura, adotando como principal fonte de pesquisa a Biblioteca Brasileira de Teses e Dissertações - BDTD. A partir dos descritores: pensamento geométrico AND rubrica de avaliação, Geometria AND rubrica de avaliação; não foram encontradas pesquisas envolvendo essa temática. Porém, quando utilizados os descritores: rubricas de avaliação AND matemática, foram encontradas 11 pesquisas. Com a intenção de aproximar ao tema desta pesquisa foram aplicados os seguintes critérios de inclusão/ exclusão: Recorte temporal de 2012 a 2022; Palavras-chaves no resumo (pelo menos uma). Após aplicar os critérios de exclusão, elegeu-se 1(um) estudo para análise, os demais trabalhos foram excluídos devido aos critérios adotados. Como resultados da revisão de literatura destacam-se as contribuições da docência compartilhada e a interdisciplinaridade, para o ensino de geometria, no sentido que a partir do trabalho colaborativo diferentes práticas pedagógicas podem ser implementadas em sala de aula, propiciando aos estudantes um ambiente de aprendizagem diversificado, o que torna a abordagem do conteúdo mais dinâmica e prática. Também destaca-se o papel da rubrica de autoavaliação, pois as reflexões dos estudantes sobre suas compreensões podem também ser utilizadas como informações relevantes no processo de ensino e aprendizagem, podendo indicar a quais áreas ou conteúdos o professor deve dedicar mais tempo. O estudo aponta ainda, que a rubrica para autoavaliação fez com que os estudantes pudessem trocar ideias e pensar em formas justas de responder às questões que lhes foram colocadas, o que surtiu efeitos diretos sobre o protagonismo dos estudantes e para a melhoria de suas aprendizagens no contexto da realidade investigada. A partir da investigação realizada, devido à escassez de trabalhos encontrados a partir dos descritores aplicados na revisão, evidenciou-se a necessidade da ampliação de estudos e pesquisas que articulem o ensino de geometria e a utilização de rubricas avaliativas no processo de ensino e aprendizagem no campo da percepção visual-espacial.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
ALVES DÁVILA, J.; MARIA DA SILVA JUNQUEIRA, S. RUBRICAS COMO FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM NO ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.