EFEITO DO EXTRATO HIDROALCOÓLICO DA PITANGA ROXA EM MODULAR A ATIVIDADE DA CATALASE EM CÉREBRO DE RATOS EXPOSTOS AO MPTP

  • Jhuly Dorneles de Mello
  • Eduarda Monteiro Fidélis
  • Anne Suely Pinto Savall
  • Maria Regina Magalhães Nepomuceno
  • Cristiane Denardin
  • Simone Pinton
Rótulo Doença, Parkinson, MPTP, estresse, oxidativo, Pitanga, roxa, Catalase

Resumo

A Doença de Parkinson (DP), é considerada uma desordem neurodegenerativa crônica e progressiva. Fisiopatologicamente é caracterizada pela diminuição na produção de dopamina e pelo envolvimento do estresse oxidativo, com a produção excessiva de radicais livres e diminuição de defesas antioxidantes. O tratamento atual par a DP é direcionado principalmente a sintomatologia, sem impedir a progressão da doença. Em vista disso, devem-se considerar relevantes a busca por novas terapias que possam atuar de forma mais integral na doença retardando sua progressão. Neste contexto, apresenta-se a pitanga roxa (Eugenia uniflora) que apresenta diversas propriedades como antioxidante e anti-inflamatória, apresentando como um tratamento complementar a DP. Para este trabalho, utiliza-se a neurotoxina 1-metil-4-fenil-1,2,3,6-tetraidropiridina (MPTP) que induz a morte dos neurônios dopaminérgicos, podendo ocasionar sinais e sintomas similares à DP. Neste trabalho, busca-se avaliar o efeito antioxidante do extrato hidroalcoólico da polpa a pitanga roxa (Eugenia uniflora) sobre a atividade da catalase (CAT) diante de um processo de estresse oxidativo induzido pela adminstração intranasal (i.n.) de MPTP em roedores. Utilizou-se ratas fêmeas, da linhagem Wistar (250-300g) com 12 semanas de idade (CEUA 010/2021), os quais receberam a administração bilateral intranasal, em dose única, do veículo (solução salina) ou MPTP (1 mg/narina). Após 24 horas, os animais foram divididos em cinco grupos (n= 8-11): 1) Controle; 2) MPTP; 3) Pitanga 2000 mg/kg; 4) MPTP+Pitanga 300mg/kg; 5) MPTP+2000 mg/kg; e inicia-se o tratamento com o extrato da pitanga roxa (E. uniflora) nas doses de 300 mg/kg e 2000 mg/kg ou água destilada no volume de 3 ml/kg/diariamente, por via oral (v.o.), por um período de 14 dias. No 15º dia os animais foram eutanasiadas e o bulbo olfatório (BO), estriado (ES) e substância negra (SNpc) foram retiradas para determinação da atividade da CAT. Foram realizadas as análises estatísticas de variância de uma via (ANOVA) seguida de Tukeys. Os resultados demonstraram que o MPTP inibe a atividade da enzima CAT em todas as estruturas como BO, ES e SNpc (p

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
DORNELES DE MELLO, J.; MONTEIRO FIDÉLIS, E.; SUELY PINTO SAVALL, A.; REGINA MAGALHÃES NEPOMUCENO, M.; DENARDIN, C.; PINTON, S. EFEITO DO EXTRATO HIDROALCOÓLICO DA PITANGA ROXA EM MODULAR A ATIVIDADE DA CATALASE EM CÉREBRO DE RATOS EXPOSTOS AO MPTP. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.