FATORES ASSOCIADOS AOS TURNOS DE TRABALHO DA ENFERMAGEM EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

  • Elisa Nazario
  • Elisa Gomes Nazario
  • Caren Francieli Coelho Dias
  • Débora de Castro de Souza Araújo
  • Rosângela Marion da Silva
Rótulo Enfermagem, Saúde, Trabalhador, Trabalho, turnos, Unidades, Terapia, Intensiva, Sono

Resumo

A atuação da enfermagem é essencial à manutenção dos serviços hospitalares, especialmente nas unidades de terapia intensiva (UTI). Nestas unidades a assistência é contínua, exigindo conhecimentos e habilidades específicas da equipe de enfermagem. O trabalho em turnos é vivenciado cotidianamente pelos trabalhadores de enfermagem, com escalas que, frequentemente, permeiam diferentes horários do dia e da noite. Nesse sentido, é necessário reconhecer as repercussões do trabalho noturno e da rotatividade de turnos que podem gerar impactos na saúde, podendo causar distúrbios do sono, sonolência diurna excessiva e aumento de risco de doenças cardiovasculares. O objetivo do presente estudo é analisar fatores associados ao turno noturno/misto de trabalho de trabalhadores de enfermagem de unidades de terapia intensiva. Este estudo é parte de pesquisa de dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria - Grupo de Pesquisa em Saúde do Trabalhador, Trabalho e Bem-Estar. No que se refere ao método, este é um estudo transversal, desenvolvido em unidades de terapia intensiva de três hospitais universitários do Rio Grande do Sul com 114 trabalhadores de enfermagem. A coleta de dados ocorreu de julho de 2020 a fevereiro de 2021 por meio de formulário virtual. Foram utilizados como instrumentos de coleta um Questionário de caracterização laboral, a Escala de Avaliação do Contexto de Trabalho, a Escala de Avaliação de Danos Relacionados ao Trabalho, e o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburg. Os dados passaram por análise descritiva e analítica. O estudo foi realizado com autorização das instituições e aprovação nos seus respectivos Comitês de Ética em Pesquisa (CAAE 29627820.2.0000.5346; CAAE 29627820.2.3001.5317; CAAE 29627820.2.3002.5324). No que diz respeito aos resultados, participaram do estudo 114 trabalhadores, sendo 41,3% (n=47) enfermeiros e 58,78% (n=67) técnicos de enfermagem. Sobre o turno de trabalho, 55,3% (n=38) dos enfermeiros e 53,7% (n=60) dos técnicos de enfermagem atuavam no turno noturno/misto (misto corresponde a alternância entre trabalho noturno e diurno). A atuação no turno noturno/misto apresentou associação significativa com o risco de adoecimento nas relações socioprofissionais do contexto de trabalho (p=0,001), com o adoecimento físico nos danos relacionados ao trabalho (p=0,007), e com a qualidade do sono ruim desses trabalhadores (p=0,002). Prevaleceram os trabalhadores de enfermagem que optaram pelo turno (86%, n=98) e estavam satisfeitos com seu turno (enfermeiros 100%, n=47; técnicos de enfermagem 92,5%, n=62). A possibilidade de escolher o turno para atuar pode auxiliar o trabalhador na organização da sua rotina de trabalho em conformidade com suas necessidades pessoais. Contudo, é importante enfatizar que o trabalho em turnos alternados e noturno pode gerar adoecimento e prejuízos aos trabalhadores, especialmente no que se refere a diminuição na produtividade e atenção no trabalho, bem como distúrbios do sono. Desse modo, ao analisar os fatores associados ao turno noturno/misto de trabalho dos trabalhadores de enfermagem das unidades de terapia intensiva do estudo, foi possível evidenciar os agravos potencialmente danosos à saúde dessa população. Compreende-se, com já mencionado, que a equipe de enfermagem é essencial em todos os momentos, e o trabalho em turnos é característico da categoria. Entretanto, considera-se essencial a verificação cuidadosa acerca da rotatividade de turnos nos âmbitos institucionais e gerenciais das unidades hospitalares. Sugere-se que estratégias que visem promover a saúde dos trabalhadores de enfermagem e que minimizem danos sejam constantemente reavaliadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
NAZARIO, E.; GOMES NAZARIO, E.; FRANCIELI COELHO DIAS, C.; DE CASTRO DE SOUZA ARAÚJO, D.; MARION DA SILVA, R. FATORES ASSOCIADOS AOS TURNOS DE TRABALHO DA ENFERMAGEM EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.