PERSPECTIVA SOCIAL E A PERCEPÇÃO DE ESTIGMA DE PESSOAS COM TUBERCULOSE

  • Carla de Oliveira Michelin
  • Carla de Oliveira Michelin
  • Jarbas da Silva Ziani
  • Milena Aguiar dos Santos
  • Maria Eduarda Costa de Almeida
  • Karlo Henrique dos Santos Herrera
  • Jenifer Harter
Rótulo Tuberculose, estigma, perspectiva, social

Resumo

A Tuberculose (TB) é uma doença infecciosa crônica pulmonar que tem como agente causador a Mycobacterium Tuberculosis, transmitido por aerossóis. Diferente do que muitos acreditam, a doença ainda atinge grande parte da população, sendo um dos principais problemas sociais, econômicos e de saúde pública no mundo. Entre os grupos mais vulneráveis e que possuem maior risco de infecção e adoecimento por tuberculose estão a população em situação de rua, indígenas, pessoas privadas de liberdade, pessoas que vivem com HIV, profissionais e estudantes da saúde. Desse modo, o objetivo deste trabalho é apresentar os fatores sociais e econômicos associados à percepção do estigma em pacientes tratados ou em tratamento para tuberculose. Este estudo trata-se de uma revisão bibliográfica atualizada, baseada em levantamento de informações sobre o tema proposto, através de registros já disponíveis, obtidos dos resultados de pesquisas anteriores. Para realização do estudo foram seguidas as seguintes etapas: identificação do tema, processo de busca, análise e descrição de um corpo do conhecimento em busca de respostas a respeito da percepção de estigma social de pessoas com TB. Os critérios de inclusão para seleção dos artigos que compõem esta revisão foram: artigos completos disponíveis nas bases de dados PUBMED e GOOGLE ACADÊMICO, publicados no idioma português e inglês, no recorte temporal de 2017 a 2022 que abordavam o tema proposto e o objetivo da pesquisa. A relevância do tema de pesquisa justifica-se pela existência de fatores específicos do processo saúde-doença de pessoas com TB, identificados através da observação da literatura existente, a qual constavam 11 artigos. Observa-se uma carência de estudos que avaliem o estigma da TB quando comparado a outras condições de saúde. A subjetividade imposta ao tema denota um desafio teórico-metodológico da pesquisa em TB, todavia a apropriação de conhecimentos sobre como esta relação implica na condição de saúde poderá auxiliar na criação de novas intervenções sensíveis às particularidades da doença. Ademais, observou-se como o estigma está ligado ao processo do tratamento dos pacientes. Desse modo, observou-se que há predominância de estudos qualitativos sobre o assunto, indicando a escassez de pesquisas quantitativas sobre o tema. Um dos pontos mais evidenciados na pesquisa foi que os sujeitos acometidos pela TB são influenciados pela memória social da doença e ancoradas em informações que circulam na sociedade como pano de fundo como a vergonha, preconceito e principalmente o medo e a morte, que são passados pelas gerações e vinculados ao estigma que cerca a TB. Assim como a importância do acolhimento no processo saúde-doença, de modo que o tratamento da tuberculose tem duração de no mínimo seis meses, é essencial que o paciente seja bem acolhido no serviço de saúde, crie um vínculo com os profissionais, para ter uma maior chance de aderir ao tratamento. É essencial que o usuário e sua família sejam bem instruídos, sobre todo o processo, a fim de auxiliar tanto na adesão como na desmistificação da tuberculose e o estigma imposto aos pacientes. A pesquisa evidenciou que a sociedade percebe os portadores de tuberculose a partir da sua imagem virtual, desconsiderando sua imagem real, predominando o estigma social, gerando a ideia de pessoas não cidadãs, sem direito a um lugar social, ao trabalho e que devem ser excluídas. Por fim, os achados revelam a necessidade de desmitificar o imaginário social que exclui o portador de tuberculose, a importância da busca ativa e do acolhimento com essas pessoas em tratamento, sendo pertinente o desenvolvimento de políticas públicas com ações de educação em saúde, prevenção, informação e combate ao estigma.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
DE OLIVEIRA MICHELIN, C.; DE OLIVEIRA MICHELIN, C.; DA SILVA ZIANI, J.; AGUIAR DOS SANTOS, M.; EDUARDA COSTA DE ALMEIDA, M.; HENRIQUE DOS SANTOS HERRERA, K.; HARTER, J. PERSPECTIVA SOCIAL E A PERCEPÇÃO DE ESTIGMA DE PESSOAS COM TUBERCULOSE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.