INICIAÇÃO CIENTÍFICA: RELATO DA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA EM UM PROJETO DE PESQUISA

  • Jamilly Ferreira
  • Jamilly da Silva Ferreira
  • Mara Cristina Pimenta Dos Santos Ruybal
Rótulo Iniciação, científica, pesquisa, aprendizado

Resumo

A iniciação científica é a introdução do aluno de graduação de qualquer área na pesquisa científica e caracteriza-se como um instrumento técnico e metodológico para um projeto de pesquisa. Segundo Maria Martha Bernardi, professora e pesquisadora da USP, a Iniciação Científica tem extrema importância na graduação pelos diversos benefícios que são proporcionados ao acadêmico, tais como o contato direto com o que está sendo desenvolvido no campo da pesquisa, a aplicação de conceitos metodológicos aprendidos em sala de aula, o amadurecimento científico, o despertar da curiosidade e do desejo pela pós-graduação, bem como um contato mais direto com docentes, outros discentes e pós-graduandos. Durante seu período na Iniciação Científica, o graduando também conhece as dificuldades impostas para o desenvolvimento da pesquisa, dentre elas a necessidade de leitura em língua estrangeira, a busca de referências relevantes em periódicos e bases de dados e a necessidade de submissão do projeto a editais de agências de fomento. Assim, este é um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, que objetiva relatar os ganhos acadêmicos adquiridos durante período de Iniciação Científica, mesmo em condições de ausência de fomento à pesquisa. Em outubro de 2021, ingressei no projeto de pesquisa intitulado Avaliação dos efeitos do extrato de achyrocline satureioides (Lam.) DC. (Marcela) em modelo cardiovascular e mitocondrial, vinculado ao grupo de pesquisa em fisiologia cardiovascular da UNIPAMPA. Durante o período de seis meses nos quais fui bolsista neste projeto, foi possível vivenciar as práticas científicas desenvolvidas pelo grupo. Após o processo de seleção dos bolsistas vinculados ao projeto, iniciamos nossos trabalhos com uma visita inicial ao laboratório, onde foi possível conhecer os equipamentos e materiais utilizados, os locais de armazenamento e as demais linhas de pesquisa existentes no grupo. Em um segundo momento, iniciamos a vivência no manejo dos animais experimentais, aprendendo ainda como era realizada a remoção dos órgãos e tecidos, através do acompanhamento dos graduandos e pós-graduandos responsáveis por outros projetos de pesquisa vinculados ao laboratório. Embora nossa rotina fosse geralmente de segunda à sexta-feira, também era necessário estar disponível nos sábados, domingos e feriados, pois muitos experimentos do grupo eram realizados nestes dias. Encontramos muitos desafios neste primeiro contato com a pesquisa básica, uma vez que era necessário acompanhar a eutanásia dos animais, algo novo para nós, e realizar um estudo mais aprofundado em temas pouco vistos durante as aulas na graduação, o que incluía a apropriação de linguagem mais complexa encontrada nos artigos científicos da área. Esta vivência foi válida para minha formação acadêmica, uma vez que a partir destes estudos foi possível perceber um maior despertar da minha curiosidade científica. Nas reuniões periódicas do grupo de pesquisa e com a orientadora havia a discussão dos pontos de êxito e dos pontos a serem melhorados nos protocolos experimentais, levando-me a um maior amadurecimento científico e à percepção do quão é difícil fazer pesquisa no Brasil, ainda mais em momentos de baixo investimento em ciência e tecnologia. Esta falta de investimento ficou mais evidente, na minha percepção, ao ser necessária a busca de parcerias em outros laboratórios para a obtenção de insumos básicos à realização dos projetos, como água destilada, materiais e equipamentos. O déficit de investimento levou à descontinuação do nosso projeto pois, embora houvesse a submissão a diversos editais de fomento, não houve êxito neste aspecto, impedindo a aquisição de insumos que não estavam disponíveis para uso em outros laboratórios parceiros. Desta forma, é possível concluir que a Iniciação Científica é de extrema importância dentro da graduação, não apenas para aqueles que desejam seguir na carreira de pesquisador, mas também para a formação crítica dos graduandos que, a partir de sua vivência, passam a ser capazes de pensar além da sala de aula tornando-os mais preparados para perceber todo o universo envolvido em uma pesquisa científica. Além disso, apenas pela vivência dentro da pesquisa, pude concluir que o incentivo a pesquisa no Brasil deveria ser muito maior para que não houvesse a necessidade de descontinuação de pesquisas importantes, tanto para a saúde humana quanto para as demais áreas do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
FERREIRA, J.; DA SILVA FERREIRA, J.; CRISTINA PIMENTA DOS SANTOS RUYBAL, M. INICIAÇÃO CIENTÍFICA: RELATO DA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA EM UM PROJETO DE PESQUISA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.