INVESTIGAÇÃO ONLINE SOBRE ALEITAMENTO EM GRUPO DE NUTRIZES NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19

  • Lais Veiga de Lima
  • Fabiana Vargas Ferreira
  • Mariana Maydana Rivero
  • Maria Celeste Osório Wender
  • Fernanda Vargas Ferreira
  • Juliana Campodonico Madeira
Rótulo Aleitamento, Internet, Pesquisa

Resumo

Introdução: O aleitamento materno (AM) é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde (MS), se possível exclusivo até os seis meses, podendo ser prolongado até os dois anos com suplementação nutricional. Dentre os potenciais benefícios à saúde materno-infantil se destacam, respectivamente, menor risco de câncer de mama e endometrial; e proteção contra doenças infecciosas e menor risco de diabetes tipo 2. Todavia, segundo dados do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani) do Ministério da Saúde que avaliou 14.505 crianças menores de cinco anos entre fevereiro de 2019 e março de 2020, 53% das crianças brasileiras continua sendo amamentada no primeiro ano de vida. Entre as crianças com idade inferior a seis meses o índice de amamentação exclusiva é de 45,7%; ao passo que, nas crianças menores de quatro meses, o índice foi de 60%. No contexto da pandemia da COVID-19, se acredita na possível influência sobre a adesão, possivelmente, em decorrência da hesitação vacinal e do receio da transmissão vertical. Objetivo: Investigar a intenção e a prática do AM em gestantes e nutrizes residentes no país no contexto da pandemia. Método: Estudo transversal e eletrônico em conformidade com os requisitos CHERRIES realizado entre julho e setembro de 2021. Incluíram-se gestantes acima de 18 anos, de qualquer trimestre gestacional; e para puérperas, acima de 18 anos e nutrizes com lactentes de 0 a 12 meses. Excluíram-se puérperas não nutrizes e participantes não residentes no Brasil. Após divulgação na página do Instagram @gepefispunipampa, as interessadas assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e responderam questionário eletrônico com dados sociodemográficos, clínicos, obstétricos e acerca do AM na pandemia da COVID-19. Realizou-se análise descritiva (frequências absolutas - N e relativa - %) com o SPSS, versão 22.0. Pesquisa aprovada eticamente (CAAE: 43291121.1.0000.5327). Resultados: O perfil Nome do(s) autor(es) Página | 2 da amostra apresentou 42 respondentes, na faixa etária de 24 a 36 anos (n=36; 85,7%), cor autorrelatada de pele branca (n=36; 85,7%) e residentes na região sul (n=35; 83,3%). Quanto à situação obstétrica, a maioria das participantes era nutriz (n=34; 81%) e o tempo de puerpério era inferior a seis meses (n=24; 57,1%). Sobre a assistência pré-natal, a maioria das participantes não havia ido a nenhuma consulta (n=31; 73,8%) e após a pandemia, nenhuma visita (n=17; 40,5%) e ≥5 consultas (n=22; 52,4%). Quanto à consulta puerperal, 17 (40,5%) respondentes não tiveram acesso. No que tange ao AM, 36 (85,7%) respondentes tiveram orientações, sendo que, as fontes foram, respectivamente, enfermeiro (a) (n=22; 52,4%), familiares (n=9; 21,4%) e mídias sociais (n=9; 21,4%). Quanto ao tipo de AM, era exclusivo (n=18; 42,9%) e era complementar (n=16; 38,1%). As dificuldades associadas ao AM foram fissura mamilar (n=15; 35,7%), medo da COVID-19 (n=7; 16,7%), pega incorreta (n=9; 21,4%) e não apojadura (n=3; 7,1%). Em relação aos cuidados para amamentar na pandemia, a maioria reportou conhecer as orientações (n=30; 71,4%), 33 (78,6%) respondentes relataram o uso de máscara e 21 (50%) não sabiam que a máscara deveria ser trocada a cada mamada. Conclusão: Nossos dados sugerem uma falha na atenção à saúde, especialmente, pela ausência de consulta puerperal. Também mostram que o AM não era exclusivo e que as principais complicações foram fissura mamilar e pega incorreta, o que pode favorecer o desmame precoce. Por fim, embora as respondentes tivessem conhecimento acerca dos cuidados do AM na pandemia, se deve reforçar a segurança em prol do chamado padrão-ouro da alimentação, o leite materno. Palavras-chave: Aleitamento; Internet; Pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
VEIGA DE LIMA, L.; VARGAS FERREIRA, F.; MAYDANA RIVERO, M.; CELESTE OSÓRIO WENDER, M.; VARGAS FERREIRA, F.; CAMPODONICO MADEIRA, J. INVESTIGAÇÃO ONLINE SOBRE ALEITAMENTO EM GRUPO DE NUTRIZES NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.