PERFIL DE MOBILIDADE, FLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE POSTURAL EM ATLETAS FUTSAL FEMININO

  • Franciely Antunes Dineck
  • Larissa de Almeida Dias
  • Mylena Silveira Alfaro
  • Daniela Ebert Wentz
  • Lilian Pinto Teixeira
  • Simone Lara
Rótulo Futsal, Atletas, Mobilidade, Flexibilidade, Estabilidade

Resumo

No Brasil, as mulheres iniciaram no futebol de salão em meados dos anos 80 e desde então, o público feminino, nesta modalidade, vem crescendo significativamente. O futsal apresenta contato físico, movimentos curtos, rápidos e contínuos e devido ser praticado em terreno de piso (cimento, madeira e sintético), o que ocorre um maior impacto, causando um número elevado de lesões. Corroborando, dados epidemiológicos apontam que a taxa de lesões no futsal no Brasil em atletas do sexo feminino varia de 42,1% a 54,1%, destacando o tornozelo como a ser a região mais acometida por lesão. Com base nesses dados expressivos, é necessário criar estratégias de avaliação dessas atletas, para que ações preventivas podem ser planejadas nesse contexto. Para que o atleta execute tais gestos motores, é necessário que o mesmo desenvolva uma série de capacidades físicas, a saber, a mobilidade, a flexibilidade, a força muscular e o equilíbrio postural. Porém, autores afirmam que o treinamento intenso e repetitivo do futebol de salão promove a hipertrofia muscular e consequentemente a diminuição da flexibilidade provocando um desequilíbrio entre as musculaturas agonistas e antagonistas o que favorece as alterações posturais e lesões por overuse. Nesse contexto, trabalhar as articulações além de seus limites pode causar lesões, o que significa que uma articulação que não é móvel o suficiente pode desencadear uma série de mecanismos compensatórios que põem mais estresse do que o normal nas articulações imediatamente acima e imediatamente após ela. Com isto, o objetivo deste trabalho foi identificar o perfil de mobilidade, flexibilidade e estabilidade corporal de atletas de futsal feminino do município de Uruguaiana/RS. Esse estudo transversal incluiu 14 atletas de futsal feminino adultas na pré-temporada, no qual foram submetidas aos seguintes testes: a) Avaliação de mobilidade do tornozelo (Lunge Test): no qual o atleta deve estar descalço, em pé em frente à uma parede, sobre uma fita métrica, e com o membro inferior a ser testado a frente, e valores de referência ideais são superiores a 10 cm; b) Avaliação de flexibilidade de cadeia posterior ( ngulo Poplíteo): atleta em decúbito dorsal, em flexão de quadril a 90º, o membro contra lateral em extensão máxima possível, e mede-se, com um inclinômetro a 5 cm da tuberosidade da tíbia, o ângulo formado na face posterior do joelho, no qual solicita-se a extensão total do joelho; valores ideais próximos a 0 º; c) Avaliação da mobilidade de Quadril: atleta em decúbito ventral, onde mede-se, por meio de um inclinômetro posicionado a 5 cm da tuberosidade da tíbia, o grau de mobilidade rotacional do quadril, valores ideais estão entre 30º-45º; d) Avaliação da estabilidade postural - Modified Star Excursion Balance Test (Y Test): através de três fitas métricas posicionadas conforme medição do teste, são mensurados os alcances nas direções anterior, posteromedial e posterolateral, e após, realizado o cálculo do escore composto, em cada membro inferiores, valores ideais estão acima de 94%. Os resultados evidenciaram que as atletas apresentaram um bom padrão de mobilidade de tornozelo (lado direito: 10,85±2,73cm; lado esquerdo: 11,26±2,67cm), e de quadril (quadril direito: 36,59 ±10,95 º; quadril esquerdo: 33,83 ± 10,36 º), conforme valores de referência da literatura. Quanto a flexibilidade de cadeia posterior, encontramos uma discreta redução dessa variável em ambos os membros inferiores (lado direito: 16,66±9,51º; lado esquerdo: 16,35±11,51º). Ainda, em nossos resultados, encontramos uma boa estabilidade postural bilateral (lado direito: 94,37±7,76%; lado esquerdo: 94,67±8,91%). Concluímos que as atletas avaliadas possuem um bom perfil de mobilidade, flexibilidade e estabilidade postural, o que demonstra um menor risco de desenvolvimento de lesões. Vale ressaltar que essa avaliação é relativa aos dados da pré-temporada, e o ideal é realizar o acompanhamento longitudinal dessas atletas, a fim de investigar se essas variáveis se manterão ao longo da temporada.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
ANTUNES DINECK, F.; DE ALMEIDA DIAS, L.; SILVEIRA ALFARO, M.; EBERT WENTZ, D.; PINTO TEIXEIRA, L.; LARA, S. PERFIL DE MOBILIDADE, FLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE POSTURAL EM ATLETAS FUTSAL FEMININO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.