NANOPARTÍCULAS CARREGADAS DE LUTEÍNA PROTEGEM CONTRA A ANSIEDADE E ESTRESSE OXIDATIVO NO MODELO DE TRANSTORNO NEURODESENVOLVIMENTAL EM DROSOPHILA MELANOGASTER

  • Jocemara Corrêa Reginaldo
  • Dieniffer Espinosa Janner
  • Elize Aparecida dos Santos Musachio
  • Luana Barreto Meichtry
  • Nathalie Savedra Chaves
  • Gustavo Petri Guerra
Rótulo Compostos, bioativos, Imidacloprida, Luteína, Nanopartículas, TBARS

Resumo

A imidacloprida (IMI) é um pesticida neonicotinóide que atua no sistema nervoso central, como um agonista dos receptores nicotínicos de acetilcolina. A exposição pré-natal e/ou pós-natal a IMI vem sendo associada a déficits comportamentais em diferentes espécies. A exposição ao pesticida resulta em uma progênie com alterações comportamentais como demonstrado em estudos anteriores. Os distúrbios neurodesenvolvimentais são caracterizados por condições neurológicas que podem interferir com a aquisição, retenção, ou aplicação de habilidades ou conjuntos de informações específicos. Eles podem envolver disfunção da atenção, da memória, da percepção, movimentos repetitivos, da linguagem, da solução de problemas ou da interação social, hiperatividade, sendo estes as quais tem ocorrência precoce, ainda na infância, prejudicando o desenvolvimento pessoal, social e profissional dos indivíduos. A taxa de indivíduos diagnosticados com esses transtornos aumentou significativamente nos últimos anos, sendo que atualmente a prevalência é de aproximadamente 1 a cada 40 crianças. Evidências demonstram que o estresse oxidativo, assim como outros marcadores influenciam diretamente no Transtorno do Espectro Autista e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (principais distúrbios neurodesenvolvimentais), sendo esse aumento oxidativo atribuído a alterações no balanço antioxidante e oxidante no organismo. A luteína é amplamente conhecida por suas propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, sendo associada a efeitos neuroprotetores, aumento da viabilidade celular, inibição de mecanismos de dano e disfunção celular. O presente estudo tem por objetivo avaliar o efeito de nanopartículas carregadas de luteína sobre as alterações do comportamento tipo ansioso e o estresse oxidativo induzidos por IMI em Drosophila melanogaster. Moscas de ambos os sexos de 1 a 2 dias de idade foram divididas primeiramente em 2 grupos: (1) dieta padrão (controle) e (2) IMI (dieta padrão + imidacloprida 400 ρm) expostas durante 7 dias. Após o período de 7 dias as moscas foram removidas e aguardou-se a eclosão da progênie (F1), a qual foi subdividida em 4 grupos: (1) dieta padrão (controle); (2) IMI (Imidracloprida 400 ρM); (3) nanopartículas carregadas de luteína 6 µM; (4) IMI 400 ρM + nanopartículas carregadas de luteína 6 µM por 24h. Após os tratamentos as moscas foram submetidas ao teste comportamental de claro/escuro. Em seguida, a cabeça das moscas foram utilizadas para o preparo de amostras para a determinação de substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS). A análise estatística (ANOVA de duas vias) mostrou um efeito significativo para interação entre luteína e IMI no teste de claro/escuro em fêmeas [F (1,16) = 59.77; p

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
CORRÊA REGINALDO, J.; ESPINOSA JANNER, D.; APARECIDA DOS SANTOS MUSACHIO, E.; BARRETO MEICHTRY, L.; SAVEDRA CHAVES, N.; PETRI GUERRA, G. NANOPARTÍCULAS CARREGADAS DE LUTEÍNA PROTEGEM CONTRA A ANSIEDADE E ESTRESSE OXIDATIVO NO MODELO DE TRANSTORNO NEURODESENVOLVIMENTAL EM DROSOPHILA MELANOGASTER. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.