FERTILIZANTE FOLIAR À BASE DE ALGAS MARINHAS: APLICAÇÃO NA UVA ‘MERLOT’

  • Isabel Cristina Robaina Figueira Freitas
  • Joana Darque Ribeiro Ozório
  • Juan Saavedra Del Aguila
Rótulo Vitis, vinifera, Sustentabilidade, Vinho, tinto, Fertilizante, orgânico

Resumo

A aplicação de bioestimulantes derivados de extrato puro de algas marinhas Laminaria spp., pode ser uma alternativa para o manejo orgânico da videira, por ser uma tecnologia sustentável, pode resultar em grandes benefícios para a agricultura. São uma importante fonte de matéria orgânica que contém muitos minerais que podem ser usados de fertilizantes para terras agricultáveis, ou como melhoradores de solo orgânico, pois têm a capacidade de fácil degradação, não possuem sementes de ervas daninhas e retêm umidade. Esses bioestimulantes são conhecidos por conter minerais enriquecidos e misturas oligoelementos em uma solução solúvel, muito conveniente para aplicação no solo ou foliar, sendo composto de algas marinhas pardas. Essas algas se destacam pelo seu elevado grau de macro e microminerais, funcionando como uma fonte rica em proteínas, polissacarídeos e aminoácidos, trazendo mais benefícios de enraizamento, clorofila, florescimento, enchimento de frutos e produtividade, sem o estresse do seu cultivo. A agricultura moderna recentemente vem intensificando o uso das algas, para aumentar a resistência, o Ascophyllum Nodosum, por meio de seus bioativos, reduz significativamente os estresses bióticos e abióticos das plantas. A cultivar Merlot utilizada adapta-se a vários tipos de solos, clima e várias formas de podas. Produzindo vinhos de texturas suaves e perfumados de alguma adstringência. É possível produzir um vinho com certa fineza e tipicidade, de cor vermelho rubi bastante intenso e de sabor ligeiramente herbáceo, alcoólico, frutado e aromático, de acidez tendencialmente baixa. Tendo isso em vista, o objetivo foi avaliar respostas agronômicas da Merlot e as características físico-química do vinho, após a aplicação de fertilizante organomineral à base de algas, em um vinhedo comercial localizado na região da Campanha Gaúcha em Santana do Livramento - RS. A metodologia aplicada para este experimento, que foi realizado no ano agrícola de 2021/2022, composto por dois tratamentos: T1= Controle, sem o uso de aplicação; T2= Aplicação do fertilizante em pó à base de algas marinhas (2 kg/ha), com o total de seis aplicações com intervalo de 15 a 20 dias, contou com 2 tratamentos e 4 repetições, o delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado. Os resultados obtidos das análises físico-químicas do vinho mostram que as variáveis do tratamento T2 teve menor índice de açúcar residual ficando 1,8 (g/L) e o T1 2,3 (g/L) havendo uma diferença significativa entre as análises realizadas, não afetando o vinho, ficando claro que os parâmetros indica que os vinhos chegaram ao final da fermentação, e essa diferença entre os tratamentos tem que ser melhor compreendida, a fim de saber qual a relação entre o tratamento e o açúcar residual. Além disso, ainda são evidenciados resultados do álcool 11,2% v/v, no tratamento e no controle respectivamente, esses parâmetros indicam que é um vinho tinto jovem, normalmente mais leves, mais fácil de ser consumido e tem uma boa intensidade de aromas. Os outros resultados foram: acidez volátil 0,3 g/L em ácido acético tanto T1 e T2 não diferindo entre si, o ácido málico 0,4 g/L respectivamente, glicerol 7,5 g/L , ácido lático 1,7 g/L, acidez total em ácido tartárico T1 6,7 g/L e o T2 6,6 g/L e o pH 3,4 g/L nos dois tratamentos. Sendo que este último é um importante resultado, pois o extrato de algas pode também auxiliar a reduzir e controlar o excesso de pH, pois o vinho, com o pH mais baixo tem mais conservação e mais durabilidade. Conclui-se, que o extrato de algas mostrou-se eficaz como uma alternativa para redução e melhoramento do pH do vinho. Recomenda-se novos estudos na variedade Merlot, assim como aplicação de algas marinhas em outras variedades de uva.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
CRISTINA ROBAINA FIGUEIRA FREITAS, I.; DARQUE RIBEIRO OZÓRIO, J.; SAAVEDRA DEL AGUILA, J. FERTILIZANTE FOLIAR À BASE DE ALGAS MARINHAS: APLICAÇÃO NA UVA ‘MERLOT’. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.