AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DA SECREÇÃO CUTÂNEA DE PHYLLOMEDUSA IHERINGII EM ESPÉCIMES FÚNGICAS DO GÊNERO COLLETOTRICHUM

  • Andrieli Bacega
  • Rafael Londero de Oliveira
  • Yuri Correia Barreto
  • Eduarda Nunes Palomeque
  • Velci Queiroz de Souza
  • Lucia Helena do Canto Vinade
Rótulo Fitopatogênico, Antracnose, Anuro, Veneno, Disco-difusão

Resumo

A antracnose é uma doença provocada por fungos do gênero Colletotrichum, comumente encontrados em regiões tropicais e subtropicais, tornou-se conhecida por afetar diversos cultivos e causar podridão em diferentes partes da planta, levando á diminuição na produção de grãos e frutos. Uma cultura que vem sendo bastante prejudicada com fungos fitopatogênicos é a de noz-pecã (Carya illinoinensis), que se destaca comercialmente no estado no Rio Grande do Sul, sendo o responsável por mais de 70% da produção nacional da noz-pecã, contendo sete mil hectares cultivados. Por conta disso, faz-se necessário estudos sobre o desenvolvimento do fungo e por fungicidas capazes de combater a antracnose e outras doenças de origem fúngicas, gerando crescimento e prosperidade no manejo. A utilização em larga escala de agroquímicos comerciais é apontada, em diversos estudos, como contribuidores na diminuição da população de polinizadores, causando toxicidade ao afetar o sistema nervoso desses insetos. Além disso, a contaminação de corpos hídricos e outras plantas também é associada a estes fungicidas. Uma alternativa para reverter esse cenário é o uso de compostos de origem natural, conhecidos por terem propriedades antimicrobianas. Um exemplo conhecido é o veneno de anuros, o qual é secretado nas glândulas paratoides e/ou pele desses animais com a função de manutenção da umidade e pH da pele (os protegendo contra o crescimento de microrganismos que possam prejudicá-los), além de conter substâncias tóxicas, como peptídeos ativos, alcaloides e esteroides. Os anuros da família Phyllomedusidae são conhecidos na natureza pelos efeitos fisiológicos que a secreção cutânea causa quando em contato com a pele, tendo mais de 42 espécies conhecidas até então, que se distribuem por todo o país. A Phyllomedusa iheringii é uma espécie de perereca exclusivamente encontrada no Bioma Pampa e ainda não foram desenvolvidos estudos relacionados aos efeitos da secreção cutânea em modelos biológicos fúngicos, apenas dados em relação a características filogenéticas da espécie. O veneno dos exemplares de Phyllomedusidae é composto por vários ativos peptídicos com uma vasta linha de aplicações, incluindo ações antiparasitárias, antimicrobianas, inseticidas e antitumorais. O objetivo desse trabalho foi testar o potencial antimicrobiano de uma dose concentrada do veneno do anuro gênero Phyllomedusa iheringii contra diferentes espécies de fungos patogênicos causadores de antracnose coletados de cultivares de noz-pecã. Os espécimes de P. iheringii adultos (n = 12 - machos e fêmeas) foram obtidos na região de São Sepé e Santa Maria, RS, Brasil e a coleta da secreção cutânea foi realizada por compressão manual do corpo do animal e estímulo elétrico pulsado (6 V; 4 ms; 50 Hz). A secreção foi lavada com água deionizada e então, liofilizada. As quatro espécies do gênero Colletotrichum foram coletados em cultivares de noz-pecã (Carya illinoinensis) em diferentes cidades do estado do RS, C. nymphaeae (SAJ2) em São Jorge, C. kahawae (PIB1) em Pinto Bandeira, C. fioriniae (SAS) em São Sepe e C. karstii (FAR2) em Farroupilha. Os fungos foram mantidos em ambiente controlado a 25 °C, em placas de Petri e nutridos com meio BDA, realizando repicagens contínuas. A ação antimicrobiana do veneno foi avaliada através do teste de disco-difusão em meio BDA, baseado em protocolo já estabelecido, com adaptações. Discos de papel filtro 6 mm de diâmetros esterilizados foram embebidos com 10µ da amostra (veneno bruto liofilizado ressuspendido em água miliQ) na concentração de 12 mg/mL. Quatro discos de papel filtro foram posicionados equidistantes na placa com meio solidificado, e em seguida, inserido o disco de micélio de aproximadamente 8 mm de diâmetro, originado na repicação, no centro da placa. As placas controle foram embebidas com 10µ de água miliQ. Em seguida, todas as placas foram lacradas com parafilme e incubadas em câmara BOD, escuro a ±25 °C por sete dias. Por conta da disposição dos discos de papel filtro, houve notáveis modificações morfológicas na distribuição micelial dos fungos na placa de Petri, porém, o veneno incorporado não surtiu efeito contra a parede celular do micélio, onde pode-se observar o seu crescimento sob o disco. As propriedades antimicrobianas contidas na secreção cutânea, mesmo em alta concentração, não foram capazes de promover um efeito fungistático ou fungicida no organismo alvo, sendo necessários maiores estudos em relação a viabilidade dos compostos proteicos antimicrobianos na amostra liofilizada, além de novos testes abordando diferentes doses do composto. A realização destes experimentos propusera uma nova possibilidade do uso dos compostos secretados de anuros a fim de solucionar problemas ambientais e econômicos de forma sustentável, explorando os potenciais biotecnológicos para o desenvolvimento de novos produtos, substituindo agroquímicos agressivos e aprimorando a técnica utilizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
BACEGA, A.; LONDERO DE OLIVEIRA, R.; CORREIA BARRETO, Y.; NUNES PALOMEQUE, E.; QUEIROZ DE SOUZA, V.; HELENA DO CANTO VINADE, L. AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DA SECREÇÃO CUTÂNEA DE PHYLLOMEDUSA IHERINGII EM ESPÉCIMES FÚNGICAS DO GÊNERO COLLETOTRICHUM. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.