ISOLAMENTO E CARACTERIZAÇÃO VIRAL DE AMOSTRA DO VÍRUS DA DIARREIA VIRAL BOVINA DE UM CASO DE DOENÇA DAS MUCOSAS

  • Maria Eduarda Lourenço Martins
  • José Conrado dos Santos Jardim
  • Eduarda Kehl Merlo
  • Ingryd Merchioratto
  • Mario Celso Sperotto Brum
Rótulo BVDV, Doença, das, Mucosas, PCR, IFA

Resumo

O vírus da Diarreia Viral Bovina (BVDV) é responsável por perdas econômicas significativas para a bovinocultura mundial. O BVDV está classificado na família Flaviviridae, gênero Pestivirus e possui três espécies distintas: Pestivirus A (BVDV-1), B (BVDV-2) e H (HobiPev). As três espécies possuem similaridades genéticas e antigênicas, não sendo possível estabelecer sorotipos. O vírion tem genoma ssRNA, possui envelope e mede aproximadamente entre 40 - 50 nm. A capacidade de replicação em cultivo celular indica a presença de dois biotipos distintos: amostras não citopatogênicas (ncp) e citopatogênicas (cp). As amostras ncp constituem mais de 98% dos vírus circulantes no campo e as amostras cp estão associadas com casos de Doenças das Mucosas (DM). O BVDV pode causar infecções subclínicas, sinais respiratórios, digestivos, problemas reprodutivos, doença hemorrágica, DM e má formação fetal. O BVDV ncp tem capacidade de formar animais persistentemente infectados (PI). A amostra de BVDV cp é gerada a partir de mutações e/ou recombinações do BVDV ncp em animais PI. A co-infecção de um PI com as duas amostras (BVDV ncp + cp) resultará no desenvolvimento da DM. No Brasil, as três espécies do vírus estão presentes e os níveis de infecção dos rebanhos de corte e leite são elevados. O presente trabalho tem objetivo de descrever a ocorrência e a caracterização clínica e virológica de um caso de DM. No município de Uruguaiana, RS, um bovino fêmea, com aproximadamente 24 meses de idade, raça Braford, desenvolveu emagrecimento progressivo, lesões ulcerativas na cavidade oral e nasal e diarreia. A condição clínica foi progressiva e o animal foi sacrificado in extremis 20 dias após as observações iniciais. Amostras de sangue, swabs nasais e orais foram coletados para isolamento viral em células MDBK (Madin-Darby Bovine Kidney), seguido de confirmação por imunofluorescência. Os inóculos (secreções) foram clarificados por centrifugação e o inoculou-se somente os leucócitos. A detecção do genoma viral foi realizada por PCR específico para a região 5´UTR (untranslated region), seguido de sequenciamento e caracterização genética. O isolamento viral demonstrou a presença de efeito citopatogênico característico de BVDV, sendo que identidade viral com foi confirmada pelo teste de imunofluorescência com anticorpo monoclonal específico. Os cultivos celulares infectados com o vírus foram utilizados para extração de RNA total e submetidos a detecção do genoma viral. A amplificação da região 5´UTR do genoma do vírus foi positiva no PCR e indicou a presença de um segmento de 175 bp. Esse segmento foi purificado, submetido ao sequenciamento genético pelo método Sanger. A análise da sequência obtida demonstrou similaridade (98-99%) com amostras do BVDV e indicou a presença de pestivirus A (BVDV-1). As três espécies do vírus, BVDV-1, BVDV-2 e HoBiPev, estão presentes na população bovina do Brasil. O BVDV-1 é o mais comumente encontrado, seguido dos outros dois. O controle e a prevenção do vírus é realizada pela identificação de animais infectados e persistentemente infectados, seguido da segregação do restante do rebanho. Ainda, a utilização de vacinas é altamente recomendado para casos onde existe o diagnóstico laboratorial. Assim sendo, é possível demonstrar que o BVDV está circulando no rebanho da região, causando prejuízos e os métodos de diagnóstico são eficazes para a confirmação e identificação do agente etiológico. Portanto, medidas para controlar, prevenir e identificar o agente nos rebanhos devem ser consideradas pelos técnicos e produtores.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-11-23
Como Citar
EDUARDA LOURENÇO MARTINS, M.; CONRADO DOS SANTOS JARDIM, J.; KEHL MERLO, E.; MERCHIORATTO, I.; CELSO SPEROTTO BRUM, M. ISOLAMENTO E CARACTERIZAÇÃO VIRAL DE AMOSTRA DO VÍRUS DA DIARREIA VIRAL BOVINA DE UM CASO DE DOENÇA DAS MUCOSAS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 2, n. 14, 23 nov. 2022.