COMO O LIXO PODE CONTRIBUIR NO PROCESSO DE INCLUSÃO SOCIAL?

  • Giovana Uberti Barbosa
  • Juan Francs Lima de Moura
  • Miguel David Fuentes Guevara
Rótulo Resíduos, Sólidos, Catadores, Desenvolvimento, Sustentável

Resumo

Desde a revolução industrial, o mundo passou a lidar com diversos problemas ambientais, um deles é a alta produção de lixo, ocasionada pelo crescimento demográfico, desenvolvimento urbano e o consumo exacerbado advindo do capitalismo. Além disso, com o passar do tempo o aumento da desigualdade social foi gradativo, a escassez de matéria-prima propiciou o desenvolvimento de sistemas de superprodução de mercadorias mais poluidoras e a falta de saneamento básico aumentou os problemas de saúde pública. Assim, o planeta globalizado percebeu a importância do cuidado com o meio ambiente, possibilitando o surgimento de políticas ambientais como a de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. O termo lixo foi ressignificado, tendo em vista seu alto potencial enquanto gerador de renda, matéria-prima de reciclagem e reutilização. Dessa forma, surgiu a discussão acerca do papel do lixo enquanto potencial ferramenta para inclusão social, uma vez que essa matéria-prima representa a alta da economia mundial em um futuro cada dia mais próximo. Entretanto, atualmente, as pessoas que lidam com a matéria (catadores, moradores de lixões) vivem em condições de trabalho completamente insalubres e desumanas. Portanto, ao refletir a inclusão social através do lixo, no Brasil, é necessário questionar sobre a perspectiva de vida desses trabalhadores. Esses problemas acontecem principalmente pela falta ou inadequado funcionamento da coleta seletiva, segregação e despejo indevido dos resíduos, dentre outros. Desse modo, rejeitos com potencial de infecção, radioativos, químicos, são mesclados a outros resíduos, como lixo orgânico que, muitas vezes, é consumido por esses indivíduos. Isso implica, diretamente, no surgimento de doenças que podem, inclusive, levar a óbito. Frente ao anteriormente exposto, este trabalho teve como objetivo compreender a importância do lixo no desenvolvimento social dos catadores, e refletir como esse fator atua no processo de inclusão. Como metodologia, foram realizadas pesquisas bibliográficas, extração de dados nacionais das associações de catadores e estudos documentais em aplicativos de vídeos digitais. Tendo em vista os dados analisados, o ciclo da reciclagem em cooperação com os catadores de resíduos apresentou-se como fonte promissora e eficiente no combate às desigualdades sociais e danos ambientais, sendo que em lugares onde foram inseridas cooperativas de reciclagem o aumento da qualidade de vida dos catadores foi expressivo, destacando melhorias na saúde, alimentação, moradia, educação e lazer, indicando que a segregação/reciclagem com participação dos catadores é uma ferramenta com alto potencial de melhoramento de vida e por conseguinte de inclusão social. Em conjunto, o encaminhamento para reaproveitamento dos materiais favorece a conservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. É importante destacar, que todas as etapas (segregação na fonte, coleta, transporte, transbordo, tratamento, destinação final) do processo de gestão de resíduos são indispensáveis. No Brasil, poderia ser implementado um plano de educação ambiental efetivo para mobilização das pessoas, empresas e indústrias em relação à geração, segregação e destinação adequada dos seus rejeitos e resíduos. Dessa maneira, somente os materiais rentáveis chegariam até os catadores, livres de rejeitos tóxicos e doenças. Além de projetos de educação ambiental, as obrigatoriedades da responsabilidade da destinação do lixo deveriam ser cumpridas em lei, porque apesar da Política Nacional de Resíduos Sólidos descrever, e prever obrigatoriedades, ainda há muitas aberturas vigentes que contrapõem os termos estabelecidos. Esse fato pode ser comprovado pela quantidade de lixões a céu aberto, aterros controlados e destinações indevidas de resíduos pelas grandes entidades. Esta problemática é um fato social, ambiental e econômico no país. Todavia, somente o gerenciamento de resíduos, cumprido de forma efetiva, pode suprir as lacunas existentes nesse contexto socioambiental. Desse modo, conclui-se que a segregação por parte dos catadores no ciclo da reciclagem de resíduos sólidos contribui indubitavelmente no processo de inclusão social, tendo em vista sua capacidade de gerar empregos, renda, possibilitar dignidade na vida de muitas pessoas, e incentivar o trabalho colaborativo, além de ser um potencial instrumento de reconstrução de hábitos culturais que compreendem o desenvolvimento sustentável. Logo, é de suma importância destacar a necessidade de ampliação e melhoria da regulamentação dos serviços de reciclagem, como peça fundamental para o progresso humano e preservação da natureza, dessa forma, a sociedade poderá desfrutar da tamanha efetividade do lixo (resíduo sólido) enquanto potencial tecnológico nas mais diferentes esferas da sociedade que almejam um futuro digno, limpo, desenvolvido e sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
UBERTI BARBOSA, G.; FRANCS LIMA DE MOURA, J.; DAVID FUENTES GUEVARA, M. COMO O LIXO PODE CONTRIBUIR NO PROCESSO DE INCLUSÃO SOCIAL?. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.