ANÁLISE DA ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM USO DE CIMENTO, VERIFICAÇÃO PARA USO EM ESTRADAS VICINAIS DA FRONTEIRA OESTE DO RS

  • Rafael Fumaco Tambara
  • Carlos Eduardo Keller Bertolo
  • Luíza Dotta Scarrone
  • Alexandre Santos Langwinski
  • Ricardo Macedo Viega
  • Jaelson Budny
Rótulo Melhoramento, solo, Estabilização, Solo-cimento

Resumo

Os solos podem ser definidos como uma massa natural que recobre a superfície terrestre, formado por materiais orgânicos e minerais, com potencial tanto para desenvolvimento de vegetação como para obras de engenharia. No Rio Grande do Sul, há uma grande diversidade de solos devido a variação climática e do tipo de relevo, entretanto, muitas obras de pavimentação, exigem um custo muito grande devido a incompatibilidade existente entre o tipo de solo e o sistema de pavimentação adotado (Caneppele, 2016). Assim, muitas vezes utilizam-se técnicas que tem como objetivo o melhoramento deste solo, como a adição do cimento Portland, cal e aditivos químicos, onde visa a obtenção de uma melhoria das propriedades mecânicas, químicas ou físicas do solo, e seu aumento de resistência. Diante disso, este trabalho busca como objetivo, apresentar as análises com diferentes teores de cimento, com o intuito de encontrar uma solução com o melhor custo/benefício para estabilização de solos para a reabilitação e conservação de estradas não pavimentadas no município de Alegrete, podendo ainda estes resultados serem replicados para aplicação em outros município da fronteira oeste do estado do Rio Grande do Sul. A técnica do solo-cimento vem sendo bastante utilizada com sucesso em bases para pavimentos, revestimentos de canais, proteção de encostas para barragens de terra, como uma camada de base para fundações superficiais e para evitar que a areia liquefaça. Os fatores que mais influenciam no comportamento de misturas solo-cimento, são: O tipo e composição química do solo, teor de cimento e água, tempo em que o solo, cimento e água são misturados antes da compactação e o grau de pulverização do solo (para solo argiloso) (Foppa, 2005). A técnica de estabilização de solo com o uso de cimento, se baseia no espalhamento do cimento na superfície do solo, umedecendo o solo e compactando de forma habitual. Estudos mostram que com apenas 2% de cimento na massa já é suficiente para modificar as propriedades do solo, também, com adições de 5 (recomendado pela NBR 12254:2013) a 10% de cimento, o solo poderá se comportar quase como um concreto, podendo até ser comparado ao concreto magro (Ingles & Metcalf, 1972). Analisando os ensaios para teores de cimento de 0 a 11%, a literatura apresenta que é possível observar um crescimento linear da resistência à compressão do solo à medida que o teor de cimento é aumentado, também, quanto maior a concentração de cimento e maior a compactação, maior será a cimentação e consequentemente maior será sua resistência à compressão. Quanto à influência da porosidade, conforme o aumento do teor de cimento menor era a porosidade, resultando em um ganho exponencial de resistência à compressão. A cimentação em solos mais grossos é equivalente à do concreto, porém o cimento atua apenas nos contatos das partículas do solo. Já os solos mais finos, são quimicamente menos estáveis devido à maior presença de argilo-minerais que reagem com o cimento. A reação causada pela mistura do solo com o cimento pode ser descrita em duas fases: Na fase primária, ocorrem as reações de hidratação do cimento Portland, ou seja, silicatos e aluminatos são hidratados. Já na fase secundária, ocorrem as reações entre os argilo-minerais previamente existentes no solo e o hidróxido de cálcio liberado na hidratação do cimento. Contudo, esse trabalho tem por finalidade, contribuir para o desenvolvimento de técnicas capazes de melhorar o solo para diferentes usos, mostrando resultados de ensaios realizados com o uso do solo-cimento, preferencialmente para estabilização de solos para uso em pavimentação, e pelas características apresentadas, os solos da fronteira oeste mais arenosos devem ser estudados com teores de 7 até 10% e os solos argilosos devem ser explorados de 2 até 6%.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
FUMACO TAMBARA, R.; EDUARDO KELLER BERTOLO, C.; DOTTA SCARRONE, L.; SANTOS LANGWINSKI, A.; MACEDO VIEGA, R.; BUDNY, J. ANÁLISE DA ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM USO DE CIMENTO, VERIFICAÇÃO PARA USO EM ESTRADAS VICINAIS DA FRONTEIRA OESTE DO RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.