ESTUDO DE MERCADO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BISCOITO ADICIONADO DE COPRODUTO DA OLIVICULTURA

  • Jeff Oliveira Soares
  • Juliana Silveira de Quadros
  • João Tomaz Silva Barcellos Junior
  • João Rodrigo Gil de Los Santos
  • Fernanda Germano Alves Gauterio
  • Mariane Garcia Orqis Barcellos
Rótulo Bagaço, azeitona, Biscoito, Inovação, Pesquisa, mercado

Resumo

O estado do Rio Grande do Sul expandiu a sua produção de azeite de oliva, sendo, atualmente, o maior produtor nacional de azeitonas, de acordo com estimativa do Instituto Brasileiro de Olivicultura. Além disso, cultiva atualmente 4.500 hectares e possui 200 olivicultores cadastrados. Porém, com o crescimento das atividades industriais, cada vez mais se intensificam os problemas de poluição ambiental, como por exemplo, a elevada geração de bagaço de azeitona. Este que é constituído de compostos orgânicos, como os açúcares, fibras, proteínas, lipídios, entre outros, elevando seu potencial para aplicação na indústria de alimentos. O bagaço de azeitona apresenta potencial para ser aplicado em panificados como os biscoitos, que são produtos obtidos por amassamento e assamento adequado para massas feitas com farinha, amido e féculas, fermentados ou não. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo realizar o estudo de mercado para o desenvolvimento de biscoitos adicionados de bagaço de azeitona provenientes da Região da Campanha. A pesquisa de mercado foi realizada por meio de um questionário on line, divulgado amplamente nas redes sociais, coletando-se aproximadamente 100 respostas durante 10 dias. Quando questionados sobre o consumo de azeitona, 48% responderam que consomem ocasionalmente, o que pode-se justificar devido à sua aceitabilidade sensorial. Já, sobre o consumo de azeite de oliva, 32,4% consomem diariamente; o crescente consumo pode ser atribuído ao fato deste produto ser comprovadamente benéfico à saúde. 54,9% dos participantes não sabiam que o bagaço de azeitona apresenta componentes nutricionais importantes para a saúde e pode ser utilizado na elaboração de novos produtos alimenticios; isso se deve à falta de informação e, também, por entenderem que bagaço são somente resíduos e que não possuem uma potencial reutilização. Porém, 80,4% destes estão dispostos a provar do novo produto. O biscoito é considerado um produto principal na mesa dos consumidores, e isso se confirmou na pesquisa realizada, onde 40,2% dos participantes consomem semanalmente. Os produtos integrais possuem diversos benefícios, como melhora no sistema digestivo e ser rico nutricionalmente; onde, conforme respostas da pesquisa, 37,3% das pessoas consomem semanalmente. Quanto ao consumo de produtos sem glúten, característica do biscoito a ser desenvolvido, 71,6% dos entrevistados foram indiferentes em relação à preferência por esses produtos. Os clientes potenciais do produto também estão abertos às novidades do mercado e consideram os atributos, saudável (57,8%), sabor (56,9 %) e preço (57,8 %) como sendo os mais importantes na hora da compra. Onde 85,3% dos participantes demonstraram interesse em se tornarem futuros consumidores do biscoito adicionado de bagaço de azeitona. Sendo destes dispostos a pagar, por 160g, um valor entre R$2,00 a R$4,00. Com a pesquisa de mercado, o biscoito foi aprovado, enquanto ideia, sendo considerado um produto saudável e de potencial sabor, evidenciando um promissor segmento de mercado a ser explorado em relação ao reaproveitamento do bagaço de azeitona.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
OLIVEIRA SOARES, J.; SILVEIRA DE QUADROS, J.; TOMAZ SILVA BARCELLOS JUNIOR, J.; RODRIGO GIL DE LOS SANTOS, J.; GERMANO ALVES GAUTERIO, F.; GARCIA ORQIS BARCELLOS, M. ESTUDO DE MERCADO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BISCOITO ADICIONADO DE COPRODUTO DA OLIVICULTURA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.