GRUPO DE ESTUDOS FATO SEM FAKE: COMBATE À DESINFORMAÇÃO E ACESSIBILIDADE COMUNICATIVA

  • Micael dos Santos Olegário
  • Marco Antonio Bonito
Rótulo Acessibilidade, Comunicação, Desinformação, Fato, Fake, Pesquisa

Resumo

O Grupo de Estudos Fato Sem Fake surgiu a partir do projeto de pesquisa Processos Comunicacionais inclusivos: Narrativas Midiáticas com Acessibilidade Comunicativa'', ligado ao Grupo de Pesquisa t3xto. O objetivo do Grupo de Estudos é estudar e pesquisar o tema Fake News e Desinformação, tendo em vista a acessibilidade comunicativa. A escolha de se trabalhar com desinformação leva em consideração o cenário atual do crescimento de informações falsas na sociedade brasileira, interferindo no bem-estar da democracia, no exercício da cidadania, e consequentemente na vida das pessoas com deficiência. O grupo é composto por discentes de graduação e bolsistas de iniciação científica, sendo estes responsáveis pela articulação e organização dos estudos, pesquisas e reuniões. Nas reuniões do grupo se busca a investigação das narrativas midiáticas enquanto metodologias, processos e produtos da comunicação, buscando a aproximação dos estudos narrativos - teoria narrativa, narratologia e storytelling. Realizam-se videoconferência através da plataforma Google Meet, onde ocorrem as discussões em torno de textos que tratam da desinformação, seus conceitos e efeitos na sociedade brasileira, os quais oferecem um panorama para reflexões sobre os conceitos de fake news e desinformação e a importância de se trabalhar esta temática. Participam os membros do grupo com a coordenação do professor e doutor em Ciências da Comunicação, Marco Bonito. Os debates se dão com a interação entre os participantes e abertura para o diálogo, oportunizando assim o aprimoramento dos conhecimentos sobre desinformação, além do desenvolvimento de aportes teóricos e metodológicos que enriquecem a formação acadêmica e a iniciação científica. Além da compreensão sobre as desinformações e o modo de combatê-las, o Grupo de Estudos Fato Sem Fake preocupa-se com a produção de conteúdos com acessibilidade comunicativa, seguindo os princípios estabelecidos pela Lei Brasileira de Inclusão (2015) e dos Direitos Humanos (1948), que garantem o acesso irrestrito e isonômico às informações por toda a população, incluindo aqui, as pessoas com deficiência que representam 25% da população brasileira. Sendo assim, trabalha-se no grupo com a perspectiva da acessibilidade comunicativa como um princípio fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade mais democrática, e deste modo, menos suscetível às desinformações. Os estudos e pesquisas do grupo têm colaborado com a produção da Segunda Temporada do Projeto Fato Sem Fake, que visa a formação de combatentes de desinformação, incluindo pessoas com deficiência. Neste sentido, os bolsistas e demais graduandos do grupo debatem e trabalham no desenvolvimento de estratégias para atingir o público alvo do curso e formas de torná-lo acessível. Através disto, têm-se percebido a importância do desenvolvimento de narrativas midiáticas que levem em consideração nos mais diferentes processos, desde a produção e organização até a finalização, a acessibilidade comunicativa. Espera-se que resultados mais práticos possam ser observados nas próximas etapas do projeto, com o início da Segunda Temporada do Fato Sem Fake e a continuidade das reuniões do Grupo de Estudos Fato Sem Fake, objetivando o embasamento teórico, os estudos e pesquisas necessários para o desenvolvimento do curso de combatentes de desinformação. Concomitantemente, através do curso de combatentes de desinformação, objetiva-se a prática das narrativas midiáticas com acessibilidade comunicativa, fazendo suscitar mais projetos e estimulando estas práticas no jornalismo, nas pesquisas acadêmicas e na sociedade brasileira em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
DOS SANTOS OLEGÁRIO, M.; ANTONIO BONITO, M. GRUPO DE ESTUDOS FATO SEM FAKE: COMBATE À DESINFORMAÇÃO E ACESSIBILIDADE COMUNICATIVA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.