CARTOGRAFIA DA COVID-19 NA REGIÃO IMEDIATA DE CARAZINHO-RS

  • Nelson Luis Eufrasio Junior
  • Vagner Benites da Silva
  • Nola Patricia Gamalho
Rótulo Cartografia, COVID-19, Carazinho, Infraestrutura, hospitalar, Saúde

Resumo

A pandemia do novo coronavírus (COVID-19), declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em março de 2020, gerou uma mudança brusca na rotina das populações no Brasil e no mundo, impactando nos contextos social, cultural e econômico de todos os países. Para responder à alta demanda por atendimentos de saúde decorrente da situação pandêmica, os sistemas hospitalares foram especialmente exigidos, o que motivou um olhar mais aguçado para a organização e investimentos necessários nos referidos serviços. A pesquisa em andamento busca respostas para a necessidade de conhecimento sobre a infraestrutura hospitalar existente nas regiões do Estado do Rio Grande do Sul a partir do levantamento de dados sobre no número de leitos de UTI adulto, leitos clínicos e respiradores existentes nos municípios, somados os existentes nas redes pública e privada, divididos a partir do critério de regionalização de regiões imediatas e intermediárias estabelecido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicado em 2017. As regiões geográficas imediatas têm na rede urbana sua principal referência e leva em conta a existência de centros urbanos próximos para o atendimento das necessidades imediatas das populações das localidades. Já as regiões geográficas intermediárias relacionam-se como uma escala intermediária entre as Unidades da Federação e as Regiões Geográficas Imediatas. A pesquisa tem como objetivo geral contextualizar as condições de infraestrutura hospitalar voltada ao combate à COVID-19 e como objetivos específicos realizar o levantamento das condições de infraestrutura, analisar o contexto regional em relação às infraestruturas e ao avanço da pandemia nas regiões imediatas e intermediárias do Rio Grande do Sul. Com o avançar da pesquisa, está entre os objetivos cartografar as infraestruturas hospitalares conforme as escalas municipais e das regiões citadas. Como metodologia, a pesquisa parte dos recortes definidos pelo IBGE, além de revisão bibliográfica dos conceitos de região e planejamento regional. Os números sobre a estrutura hospitalar foram levantados a partir dos dados públicos disponibilizados pelo governo do estado do Rio Grande do Sul no site www.covid.saude.rs.gov.br. Como recorte temporal, foi estabelecida a data de 31 de março de 2021 para a análise de dados, por ter sido, até o presente momento da pandemia, o período com o maior número de casos e internações decorrentes da doença no Brasil. A região imediata de Carazinho é integrante da região intermediária de Passo Fundo e é composta por 15 municípios, com uma população de 148.016 habitantes, o que representa 1,29% da população total do Estado do Rio Grande do Sul (IBGE, 2020). O município que dá nome à região imediata é o mais populoso, com 62.265 habitantes, e concentra o maior número de equipamentos de saúde, enquanto no outro extremo, em termos populacionais, está o município de Engenho Velho, com 982 habitantes. Considerando a soma de todos os equipamentos, a região contava em 31 de março de 2021 com 16 Leitos de UTI Adulto (1,71 a cada 100 mil habitantes), 88 leitos clínicos (66,51 a cada 100 mil/hab) e 38 respiradores (8,93 a cada 100 mil/hab). Carazinho era responsável pela maior parte da oferta nos três itens levantados na pesquisa: Leitos UTI Adulto (16 - 100% do total da região/ 25,69 a cada 100 mil/hab), Leitos Clínicos (27 - 30,68% do total da região / 43,36 a cada 100 mil/hab) e Respiradores (25 - 65,78% do total da região / 40,15 a cada 100 mil/hab).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
LUIS EUFRASIO JUNIOR, N.; BENITES DA SILVA, V.; PATRICIA GAMALHO, N. CARTOGRAFIA DA COVID-19 NA REGIÃO IMEDIATA DE CARAZINHO-RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.