A INTERFERÊNCIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS PARA A AGRICULTURA FAMILIAR

  • Laura Nogueira Abatti
  • Natália Bento Barreto
  • Hélen Giorgis Santos
  • Márcia Von Fruhauf Firme
  • Márcio Marques Martins
Rótulo Agricultura, familiar, Mudanças, climáticas, Residência, Pedagógica

Resumo

O presente trabalho aborda a temática das mudanças climáticas para a agricultura familiar, sendo um projeto que articula com a componente de Seminário Temático de Práticas como Componente Curricular IV e o Programa de Residência Pedagógica. Este estudo tem o intuito de sensibilizar os alunos da 2ª série do ensino médio de uma escola estadual do município de Aceguá para as consequências das mudanças climáticas para a agricultura familiar, identificando os fatores que contribuem para a problemática bem como ações que possam reduzir o problema. Justificando assim a pesquisa com base no atual cenário na qual ocorre o aumento de desastres naturais devido às variações climáticas, bem como a interferências na agricultura familiar, visto que 63,6% dos alunos que residem em zona rural e exercem esse tipo de agricultura. Buscamos a partir de um questionário inicial coletar as informações do conhecimento prévio dos estudantes a respeito da temática. Após a aplicação e análise do questionário foi criado slides na apresentação do Google e gravado uma vídeoaula para disponibilizar aos alunos sobre conceitos importantes, como: efeito estufa, mudanças climáticas, aquecimento global e agricultura familiar. Outra atividade criada foi a realização de uma roda de conversa entre os alunos para dialogar sobre a temática, descrevendo suas experiências e estratégias para encarar as variações climáticas. A discussão foi realizada de maneira remota através do Google Meet. Para finalizar, os discentes responderam um questionário a fim de coletar as informações adquiridas com o projeto, esses dados serão comparados com o anterior para analisar os resultados. Examinando os resultados do primeiro questionário, nota-se que 85,7% dos alunos que residem no campo fazem o cultivo em suas terras. Destaca-se também que apenas 25% dos alunos da zona urbana realizam o cultivo em suas residências. Ressaltamos que 100% dos alunos entendem o conceito de agricultura familiar, tendo assim um conhecimento prévio sobre o assunto. Onde a agricultura é cultivada pelos membros da própria família, sendo de pequeno porte. Salientamos novamente que 100% dos discentes entendem o que são mudanças climáticas tendo 54,5% respondido aquecimento global como principal impacto delas, outros destacam chuva ácida e seca como outros fatores. Além de que todos os alunos conseguem assimilar que essas mudanças afetam a agricultura. Com relação às estratégias, 54,5% elencam o uso do pivô como uma estratégia para inibir a consequência das mudanças climáticas, bem como 27,3% afirmam não saber nenhuma estratégia para inibir essas mudanças. Como dito anteriormente, após a aplicação do questionário inicial, houve a realização do projeto em si, e para finalizar e podermos analisar o resultado propomos um questionário final onde os alunos tinham a liberdade de escreverem o que conseguiram compreender a partir do projeto, pode-se observar que 70,0% dos discentes destacaram que já conheciam algumas estratégias como a irrigação por pivô. No entanto evidenciamos ao longo do processo outras estratégias como o quebra vento, que seria a plantação de árvores na volta para proteger as plantas contra a ação de ventos fortes ou guardar água da chuva para irrigação, pois não tem financiamento para uma irrigação mecânica como pivô ou por aspersão. Ressaltamos aqui a falado aluno 14 que comenta as estações do ano também estão bem diferentes o que causa alguns problemas, por exemplo esse calor fora de tempo no inverno faz a flores dos pêssegos virem antes, aí vem a geada e cai muito quando não cai tudo ai não terá colheita. Nessa fala notamos que o calor durante o inverno, que seria uma estação fria acaba florescendo as flores dos pêssegos e quando chega a geada as flores morrem, assim a colheita do pêssego acaba não sendo produtiva. Tendo em vista o que foi mencionado, a educação ambiental é importante pois contribui para a formação do indivíduo, fazendo com que se torne mais consciente e tenham atitudes sustentáveis. Podemos afirmar, que a escrita e elaboração do projeto foi uma fase onde ensinei e aprendi ao mesmo tempo, aprimorei meus saberes o que certamente contribuiu para a minha formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
NOGUEIRA ABATTI, L.; BENTO BARRETO, N.; GIORGIS SANTOS, H.; VON FRUHAUF FIRME, M.; MARQUES MARTINS, M. A INTERFERÊNCIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS PARA A AGRICULTURA FAMILIAR. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.