POLUIÇÃ AMBIENTAL E ASSOCIAÇÃO A DOENÇAS: ESTUDO EM POPULAÇÃO RESIDENTE NO SUL DO BRASIL.

  • Paulo Henrique Oliveira Lima
  • Pietro Nunes Rinelli
  • Laíza Marques Baida
  • Fabio Tavares da Silva
  • Beatriz Herbst Sanday
  • Marilyn Nilda Esther Urrutia Pereira
Rótulo Poluição, Saúde, Ambiental, Doenças, Crônicas, Não, Transmissíveis, Atenção, Primária

Resumo

A poluição do ar é considerada o principal fator de risco à saúde evitável que afeta todos, embora os mais vulneráveis (nível socioeconômico mais baixo, doentes, idosos, mulheres e as crianças) enfrentem riscos desproporcionais. O trabalho objetiva identificar possíveis fatores demográficos, socioeconômicos, de saúde, ambientais e de hábitos de vida associados a efeitos adversos sobre a saúde de indivíduos moradores de Uruguaiana, Rio Grande do Sul, Brasil. Indivíduos (N=1418; homens N=490; média de idade 40 anos [18 a 71 anos]) que procuraram o serviço municipal de saúde (maio a dezembro de 2020), por queixas diversas, participaram do estudo e responderam ao questionário padrão sobre exposição ambiental (adaptado do Clinical Screening Tool for Air Pollution Risk) .Verificamos que a situação de saúde regular/ruim/péssima esteve significantemente associada aos seguintes fatores de risco: exposição a fogão à lenha/querosene na infância (OR:1,54; CI95%:1,05-2,27), morar próximo a fonte poluidora (OR:1,63; CI95%:1,18-2,25), ter renda mensal média inferior a três salários mínimos (OR:1,83; CI95%:1,32-2,55), ter escolaridade até nível superior incompleto (OR:2,21; CI95%:1,15-4,23), ser de raça não branca (OR:1,48; CI95%:1,06-2,08), ter comorbidades (OR:2,42; CI95%:1,69-3,48) Hipertensão Arterial/Diabete mellitus/Asma/DPOC/ Bronquite e ser tabagista ativo (OR:1,44; CI95%:1,04-3,48). Como fatores protetores foram identificados: ser do sexo masculino (OR:0,66; CI95%:0,49-0,89) e realizar exercícios ao ar livre todos os dias (OR:0,58; CI95%:0,34-0,97).O desfecho de saúde regular/ruim/péssimo esteve associado ao baixo nível socioeconômico combinado com a poluição do ar, exposição extradomiciliar e intradomiciliar (combustível para alimentação, aquecimento e tabagismo), determinando doenças crônicas não transmissíveis. Os desafios globais relacionados ao meio ambiente representam riscos enormes à saúde e ao bem-estar das pessoas, mas são passíveis de ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
HENRIQUE OLIVEIRA LIMA, P.; NUNES RINELLI, P.; MARQUES BAIDA, L.; TAVARES DA SILVA, F.; HERBST SANDAY, B.; NILDA ESTHER URRUTIA PEREIRA, M. POLUIÇÃ AMBIENTAL E ASSOCIAÇÃO A DOENÇAS: ESTUDO EM POPULAÇÃO RESIDENTE NO SUL DO BRASIL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.