AVALIAÇÃO IN VITRO DA NIMESULIDA FRENTE A AGENTES DA ESPOROTRICOSE

  • Ana Luisa Reetz Poletto
  • Cristiele Fiuza Soares
  • Fernanda Riffel
  • Tatiane Goulart de Lima
  • Cheila Denise Ottonelli Stopiglia
Rótulo Esporotricose, Nimesulida, Anti-inflamatório

Resumo

A esporotricose é uma zoonose que atinge humanos e diversas espécies de animais, que tem como agente etiológico os fungos pertencentes ao complexo Sporothrix schenkii. Estes fungos se desenvolvem na natureza, principalmente em regiões com zonas temperadas e tropicais, pois o clima destas regiões proporciona uma umidade relativa do ar e temperatura adequada para o seu desenvolvimento, bem como, solos ricos em matéria orgânica, com vegetação e arborizados são os habitats mais propensos a se encontrar estes fungos. A infecção fúngica é adquirida devido ao contato com os esporos fúngicos na pele ou mucosa, através da implantação traumática em decorrência de arranhaduras e mordeduras de animais infectados, sendo o gato o principal transmissor. Esta doença apresenta diversos aspectos clínicos, sendo comum os pacientes apresentarem lesões ulcerosas na pele que podem ou não evoluírem para uma disseminação invasiva atingindo órgãos o que favorece o desenvolvimento de uma infecção generalizada. Vale salientar, que já existe cura para a esporoticose, através de um tratamento adequado a base de antifúngicos e aliado de um diagnóstico precoce terá menor probabilidade de transmissão da doença. No entanto, devido ao arsenal terapêutico desta doença ainda ser pequeno, bem como, a baixa adesão ao tratamento e os constantes relatos de resistência aos principais antifúngicos de escolha serem cada vez mais relatados na literatura, assim, é evidenciado um problema de saúde pública, que instiga o estudo de novas alternativas de tratamento. Estudos apontam, que o uso de certos anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), são capazes de inibir o crescimento fúngico através da produção de prostaglandinas E2. A nimesulida é um AINE, com propriedades anti-inflamatórias, analgésicas e antipiréticas, disponível em diversas formas farmacêuticas, que tem como mecanismo de ação a inibição da COX-2, que é capaz de reduzir a produção de prostaglandinas durante o processo inflamatório. Desta forma, o presente estudo avaliou o efeito in vitro do uso do AINE nimesulida, frente a quatorze isolados das espécies S. brasiliensis e S. schenckii sensu stricto, provenientes da micoteca do Laboratório de Microbiologia da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA. O ensaio foi baseado na análise de sensibilidade antifúngica do CLSI, Clinical and Laboratory Standards Institute, método de referência para teste de microdiluição em caldo para fungos filamentosos. As amostras foram cultivadas em ágar batata-dextrose e incubadas em estufa de crescimento na temperatura de 25ºC, por cerca sete de dias. Para a avaliação da atividade do anti-inflamatório, adquiriu-se o fármaco em pó nimesulida e o antifúngico itraconazol, em uma farmácia de manipulação de Uruguaiana-RS. A nimesulida foi pesada e solubilizada em dimetilsulfóxido (DMSO) e posteriormente, diluída em caldo Sabouraud-dextrose até atingir a faixa de concentração a ser avaliada entre 0,01 e 8 mg/mL. O Itraconazol foi utilizado como antifúngico padrão, na faixa de concentração de 16 μg/mL a 0,03 μg/mL (CLSI, 2008). Obteve-se a concentração inibitória mínima (CIM)

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
LUISA REETZ POLETTO, A.; FIUZA SOARES, C.; RIFFEL, F.; GOULART DE LIMA, T.; DENISE OTTONELLI STOPIGLIA, C. AVALIAÇÃO IN VITRO DA NIMESULIDA FRENTE A AGENTES DA ESPOROTRICOSE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.