NÍVEIS DE GLICOSE SÉRICA EM RATOS WISTAR COM ESTEATOSE HEPÁTICA NÃO ALCOÓLICA, SUBMETIDOS A HIPERVITAMINOSE D CRÔNICA.

  • Mariana Larré da Silveira
  • Gênifer Erminda Schreider
  • Silvia Muller
  • Rafael Tamborena Malheiros
  • Vinicius Tajeda
  • Vanusa Manfredini
Rótulo Vitamina, Suplementação, DHGNA, Glicose

Resumo

A vitamina D (VD) é uma substancia lipossolúvel produzida de forma endógena pelo organismo através da exposição solar (Raios UVB) nos tecidos cutâneos, ou de forma iatrogênica na ingestão de alimentos enriquecidos ou por suplementação. Desde a descoberta da deficiência de VD com a epidemia de raquitismo no início do Século XX, a VD tem sido introduzia por via de suplementação na dieta das pessoas. Está ação fez com que crescesse o interesse pelo hormônio, que só aumentou na medida que se demostraram seus benefícios em diferentes sistemas fisiológicos do metabolismo humano. Contudo, a suplementação da VD vem se tonando cada vez mais disponível e de forma não controlada, sendo encontrado cada vez mais casos de hipervitaminose D. Portanto o objetivo deste projeto é avaliar a glicose sérica na relação de suplementação crônica da vitamina D em modelo experimental de doença gordurosa não alcoólica- DHGNA. Este trabalho está no CEUA/UNIPAMPA sobre o número 016/2020. Para isso 60 ratos Wistar (30=machos e 30=femeas) foram submetidos a esteatose hepática com a ingestão de ração hiperlipídica e água enriquecida com sacarose a 45% durante 45 dias. Após a indução os animais permaneceram com ração e água ad litum e foram divididos em 5 grupos (n=6), G1: EH+ salina, G2: EH+ 500UI/kg/dia, G3: EH+ 1000 UI/kg/dia, G4: EH+ 2000 UI/kg/dia e G5: EH+3000 UI/kg/dia. A VD foi administrada por gavage uma vez na semana por 1 mês. Após o termino do tratamento os animais foram eutanásias com média de 400g, com a associação de xilazina e quetamina via intraperitoneal, foi realizado punção cardíaca e o soro dos animais foi obtido por centrifugação para posterior analise bioquímica da glicose sérica. Foi dosado a glicose sérica dos animais e posteriormente realizado teste de Shapiro-Wilks e Levane seguido de Anova de uma via. Após análise estatística observou uma elevação significante no nível de glicose sérica dos machos, havendo uma diferença relevante (α=0,001) entre o G1: controle salina e o G5: 3000UI/kg/dia (Ⴟ: 306,3mg/dl; SD ± 5,68), entretendo nas fêmeas não houve alterações significantes entre os grupos analisados. Portanto, a ação crônica da VD em machos modulou os níveis séricos de glicose, havendo um aumento dose dependente. Estudos mais completos devem ser realizados para elucidar a relação da sobrecarga vitamínica com os índices aumentados de glicose.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
LARRÉ DA SILVEIRA, M.; ERMINDA SCHREIDER, G.; MULLER, S.; TAMBORENA MALHEIROS, R.; TAJEDA, V.; MANFREDINI, V. NÍVEIS DE GLICOSE SÉRICA EM RATOS WISTAR COM ESTEATOSE HEPÁTICA NÃO ALCOÓLICA, SUBMETIDOS A HIPERVITAMINOSE D CRÔNICA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.