RELAÇÃO DO EFEITO DO PILATES NA ÁGUA NA AUTOPERCEPÇÃO ACERCA DO ENVELHECIMENTO E NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS

  • Alexssander Weber Crivellaro
  • Deise Lop Tavares
  • Gessica Bordin Viera Schlemmer
  • Alethéia Peters Bajotto
  • Tamires Daros dos Santos
  • Alecsandra Pinheiro Vendrusculo
Rótulo Hidroterapia, Equilíbrio, postural, Percepção, Técnicas, exercício, movimento, Envelhecimento

Resumo

Com o envelhecimento, podem ocorrer fatores que facilitam o desenvolvimento de doenças que que resultam de alterações fisiológicas e podem levar a uma incapacidade funcional e a dependência. O processo do envelhecimento vem acompanhado não somente de perdas morfofisiológicas, mas também de fatores psicológicos que influenciam diretamente na qualidade de vida do idoso. A satisfação do envelhecimento está relacionada com o cuidado da saúde, sendo considerada essencial um estilo de vida ativo, visto que a prática de exercícios físicos traz inúmeros benefícios à saúde do idoso. Exercícios físicos na água são os de fácil adaptação para esta população, decorrente dos benefícios do empuxo, temperatura e da densidade encontrada no meio. Um dos exercícios mais indicado para esta população é o Pilates na Água (PA) que tem como princípios a consciência corporal e mental, a respiração e a concentração, unindo corpo e mente na realização da atividade, onde o PA ainda oferece a opção da realização das práticas em grupo, estimulando a relação com outros idosos e contribuindo para a melhora da autoestima e da socialização. Este estudo teve como objetivo investigar quais os efeitos do Pilates na Água na capacidade funcional e na autopercepção do envelhecimento de idosas. Esta é uma pesquisa do tipo quantitativa e quasi- experimental, sem grupo controle, com pré e pós-teste. A amostra foi selecionada por conveniência e composta por 34 idosas. Como critério de inclusão foram selecionadas idosas com idade de 60 a 80 anos, sedentárias, com cognitivo preservado e independentes do ponto de vista funcional e que apresentassem liberação médica para realizar a fisioterapia aquática. E como critérios de exclusão foram idosas que apresentassem alguma contraindicação para a prática da fisioterapia aquática e os critérios de descontinuidade foram duas faltas consecutivas, ou três faltas alternadas a fim de se manter a homogeneidade na regularidade entre as participantes da pesquisa. Para avaliar a capacidade funcional foi utilizado o teste Time Up and Go (TUG), pois é uma medida que envolve velocidade, agilidade, potência e equilíbrio dinâmico, e apresenta uma ampla aplicabilidade clínica das propriedades de medida e para avaliar a autopercepção do envelhecimento foi utilizado Aging Perception Questionnaire (APQ). O programa de PA teve duração oito semanas, onde era realizado duas sessões por semana de aproximadamente cinquenta minutos cada, gerando o total de 16 sessões no programa, e o protocolo foi comporto por exercícios de fortalecimento do abdômen, com comandos verbais para a ativação do Power House, dividido em aquecimento, exercícios globais de fortalecimento e alongamentos baseados no protocolo de Stheinman e Chiumento (2009). Foi realizado em uma piscina com a temperatura de 32ºC aproximadamente, com o cuidado de três terapeutas treinados para coordenar o grupo. O programa de PA em relação aos domínios do APQ apresentou somente diferença significativa apenas nas consequências positivas pré e pós PA, já em relação ao TUG, observou-se uma redução significativa no tempo de execução após a intervenção (pré 10,1±2,5 segundos vs pós 9,6±2,3 segundos, p=0,033*). Como conclusão foi obtido que o método PA é uma das opções de exercícios para esta população, pois interfere positivamente na execução do TUG a na percepção positiva em relação ao envelhecimento. Confirmou-se então que o método Pilates na Água é uma modalidade de exercícios adequada para este público, unindo os princípios do método com a fisioterapia aquática, associado ainda com a prática dos exercícios em grupo. A falta de grupo controle é apontada como uma limitação deste estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
WEBER CRIVELLARO, A.; LOP TAVARES, D.; BORDIN VIERA SCHLEMMER, G.; PETERS BAJOTTO, A.; DAROS DOS SANTOS, T.; PINHEIRO VENDRUSCULO, A. RELAÇÃO DO EFEITO DO PILATES NA ÁGUA NA AUTOPERCEPÇÃO ACERCA DO ENVELHECIMENTO E NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.