HIDROLISADO DA CLARA DO OVO – EFEITOS SOBRE INTOXICAÇÃO POR METAIS E HIPERTENSÃO ARTERIAL

  • Camila Teixeira Herrera
  • Samia Hassan Husein Kanaan
  • Edina da Luz Abreu
  • Franck Maciel Peçanha
  • Giulia Alessandra Wiggers Pecanha
Rótulo alumínio, mercúrio, hipertensão

Resumo

As doenças cardiovasculares compreendem a maior causa de mortes no mundo. Seus danos são, em parte, ocasionados pelo estresse oxidativo. Os principais agentes pró-oxidantes criam um ciclo de interação entre si e ativam cascatas, como por exemplo o complexo da NADP(H) oxidase, da xantina oxidase e das mitocôndrias afetando o seu funcionamento. Estes efeitos já foram observados na exposição a metais, como o mercúrio, alumínio e cádmio, amplamente presentes no ambiente, e com exposição humana por meio do contato com medicamentos, materiais contaminados, ingesta de água, etc, e por isso, devem ser objetos de atenção na saúde pública. Dessa forma, evitar o aumento acima dos níveis fisiológicos das espécies reativas de oxigênio (ROS) bem como a ativação dos complexos geradores é fundamental para prevenir e/ou remediar os danos cardiovasculares advindos da exposição a metais ou devido à hipertensão. Nesse sentido, a busca por alternativas terapêuticas, como o hidrolisado de clara de ovo (HCO), com propriedades protetoras ao sistema cardiovascular são promissoras. Esse alimento funcional é obtido por hidrólise enzimática utilizando pepsina por 8h. Obtendo um pó de coloração amarela com propriedades bioativas como sua ação inibitória do sistema renina-angiotensina (SRAA) por agir sobre a enzima conversora de angiotensina (ECA) plasmática e nos receptores AT1 dos vasos. Além de apresentar ação antioxidante por meio da redução dos níveis de espécies reativas de oxigênio. Desta forma, o objetivo foi demonstrar os efeitos do hidrolisado da clara do ovo em modelos de exposição a metais pesados e de hipertensão arterial assim como os mecanismos envolvidos. Para isso, foi realizada busca em base de dados (PubMed) com as palavras-chave, primeiramente com Egg White Hydrolysate; e metal; e posteriormente com Egg White Hydrolysate; e spontaneously hypertensive; e após um refinamento dos artigos que consideraram apenas os que utilizaram o hidrolisado de clara do ovo com pepsina por 8h e 3h envolvendo o sistema cardiovascular publicados entre 2005 e 2020. Foram encontrados na primeira busca quinze artigos e na segunda onze artigos. Destes, quatro eram dentro do escopo pretendido neste estudo. Sendo que dois envolveram os metais mercúrio e alumínio, e um hipertensão. No modelo de ratos espontaneamente hipertensos (SHR), que geneticamente desenvolvem aumento dos níveis pressóricos, em ambos os grupos, um tratado com um anti-hipertensivo conhecido, inibidor da ECA, o captopril (PAS= 131.7 mmHg ± 2.74 mmHg, PAD= 91.5 mmHg ± 1.62 mmHg) e o outro com o HCO (0.5 g/kg/dia PAS= 182.9 mmHg ± 4.64 mmHg, PAD= 127.5 mmHg ± 2.1 mmHg e 1 g/kg/dia PAS= 177.7 mmHg ± 4.72 mmHg, PAD= 120.1 mmHg ± 2.4 mmHg) demonstraram retardar o desenvolvimento de hipertensão essencial. Nos modelos de exposição a metais, o hidrolisado preveniu o aumento da pressão arterial sistólica promovido por 60 dias de exposição ao Hg, reduziu as respostas aumentadas à fenilefrina e a disfunção endotelial induzida por este metal. Esses achados estão relacionados à redução da atividade da enzima conversora de angiotensina e ativação da subunidade 1 da NADP(H) oxidase (NOX1). Também reduziu a produção de espécies reativas de oxigênio e melhorou a biodisponibilidade de óxido nítrico na artéria de condutância aorta dos animais expostos. Efeito semelhante também foi encontrado nos animais tratados com alumínio em baixas e altas doses. O co-tratamento com o HCO protegeu o endotélio da ação de espécies reativas de oxigênio oriunda do complexo da NADP(H) oxidase. Assim, a suplementação dietética com o HCO demostrou efeito benéfico diante da hipertensão genética e exposição a altas e baixas doses de metais representando uma alternativa terapêutica frente aos danos no sistema cardiovascular.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
TEIXEIRA HERRERA, C.; HASSAN HUSEIN KANAAN, S.; DA LUZ ABREU, E.; MACIEL PEÇANHA, F.; ALESSANDRA WIGGERS PECANHA, G. HIDROLISADO DA CLARA DO OVO – EFEITOS SOBRE INTOXICAÇÃO POR METAIS E HIPERTENSÃO ARTERIAL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.