USO DE AGENTES MUTAGÊNICOS COMO FERRAMENTA PARA O MELHORISTA DE PLANTAS: REVISÃO NARRATIVA

  • Ivan Perlin
  • Renan Ramos da Rosa
  • Paulo Rogerio Franco dos Santos
  • Adriana Pires Soares Bresolin
Rótulo Melhoramento, vegetal, Mutação, Variabilidade, genética

Resumo

A reduzida variabilidade genética de grande parte das culturas comerciais trabalhadas atualmente apresenta como um entrave ao avanço de obtenção de novos cultivares que atendam as demandas atuais e futuras da humanidade. A cada dia aumenta a demanda por novos cultivares, com maior potencial produtivo, que apresentem adaptabilidade e estabilidade frente as diferentes condições ambientais, estas, a cada dia mais imprevisíveis. Também precisam atender as necessidades e anseios de um mercado consumidor cada vez mais exigente, além de boa rentabilidade ao produtor e a indústria. Desta forma o melhoramento vegetal possui uma grande missão, a de buscar fontes de variabilidade que atendam a todas estas demandas ou pelo menos algumas delas. É com este intuito que trabalham os programas de melhoramento vegetal. A literatura nos apresenta uma gama de ferramentas que os melhoristas podem fazer uso na busca incessante por esta matéria prima tão valiosa, a variabilidade genética. Entre elas temos o uso da mutação induzida, que por meio do emprego de agentes mutagênicos químicos e físicos possibilita muitas vezes a obtenção de mutações em genes relacionados às características de interesse agronômico, sendo assim, de acordo com a associação civil CropLife Brasil, a indução de mutação tem sido usada desde os anos de 1930, em mais de mil variedades mutantes das principais culturas básicas, que são cultivadas em dezenas de milhões de hectares, e foi um dos fatores responsáveis por aumentar a renda rural, melhorar a nutrição humana e contribuir para a segurança alimentar ambientalmente sustentável no mundo. Trata-se de uma revisão de literatura narrativa, com o objetivo de responder a seguinte questão: Quais os métodos mais eficientes na indução de mutação em plantas? Metodologia: realizada uma busca na base de dados da pesquisa agropecuária (BDPA), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), no mês de agosto de 2021. Os critérios de inclusão para a seleção dos matérias de referência foram: ser da temática, estar com texto completo disponível na íntegra e ser dos idiomas português, espanhol ou inglês. Os critérios de exclusão foram: documentos ministeriais e artigos que se repetiam. Não houve recorte temporal para aprimorar maior número de estudos. Ao realizar-se a busca avançada com o operador booleano and entre as palavras-chaves: Melhoramento vegetal, Mutação e Variabilidade genética. Encontrou-se um total de 11 arquivos, e ao ser realizada a leitura do título e resumo a fim de responder à questão de revisão, no final da busca obteve-se um total de quatro arquivos científicos. Resultados: Após a leitura na íntegra dos quatro arquivos selecionados, que foram publicados no intervalo dos anos de 2008 a 2017 no Brasil, foram identificados como método físico de indução de mutação, a utilização de raios gama em 2 artigos e uma monografia, e a utilização do método químico de indução de mutação com o agente etilmetanosulfonato em uma tese de doutorado. Percebe-se que os métodos de indução de mutação utilizados são eficientes para a obtenção de variabilidade genética dentro de suas limitações de uso, quanto as concentrações de raios gama utilizadas no método físico, e as concentrações utilizadas do agente etilmetanosulfonato no método químico, e que ocorre uma falta de estudos sobre outros métodos físicos e químicos que possam ser utilizados como indutores de mutação, para a geração de variabilidade genética em culturas de interesse agronômico cultivadas no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-11-16
Como Citar
PERLIN, I.; RAMOS DA ROSA, R.; ROGERIO FRANCO DOS SANTOS, P.; PIRES SOARES BRESOLIN, A. USO DE AGENTES MUTAGÊNICOS COMO FERRAMENTA PARA O MELHORISTA DE PLANTAS: REVISÃO NARRATIVA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 13, n. 3, 16 nov. 2021.