CARACTERIZAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS L.)

  • Yasmin Araujo
  • Carolina Brito Collares da Silva
  • Giovanni Vieira Soares
  • Tânia Regina de Souza
  • Luciana Machado Rodrigues
Rótulo Castor, Oil, Extração, Mamona, Óleo, Ricinus, communis, L

Resumo

A mamona (Ricinus communis L.) pertence à família Euphorbiaceae que engloba vasto número de plantas nativas da região tropical. Tolerante a secas, produz o óleo de Mamona que possui grande aplicação na indústria química, sendo empregado na fabricação de vernizes, tintas, cosméticos entre outros. A extração do óleo pode ser realizada por prensagem a quente ou a frio e/ou por extração utilizando solvente orgânico como o hexano ou etanol, entretanto, o uso desses solventes no processo apresenta algumas desvantagens, como alta inflamabilidade, elevada toxicidade à saúde humana e ao meio ambiente e por se tratar de um derivado do petróleo. Para solucionar essa problemática, estudos que avaliam outros solventes devem ser feitos, a fim de oferecer novas alternativas de extração, uma opção seria utilizar água como agente extrator. Os teores de óleo presentes nas sementes de mamona variam de 35 a 55%, cujo padrão comercial é de 45%. O objetivo do presente estudo é realizar a caracterização do óleo obtido a partir da extração por prensagem a frio de sementes de Mamona utilizando água como auxiliar de extração e validar seu potencial como solvente. Para tanto, foram determinadas a densidade, massa de óleo presente, volume e rendimento do óleo. Cem sementes de mamona foram separadas e pesadas em uma balança analítica, após foi realizada a extração do óleo de Mamona a partir de uma prensa hidráulica manual e uso de água como solvente extrator, em seguida essa solução foi filtrada obtendo-se uma solução mais límpida da amostra e o solvente, posteriormente utilizou-se o rotaevaporador para separar o óleo da água. A caracterização do óleo foi executada em ensaios de picnometria feitos em triplicatas, sob uma condição de temperatura de 22°C no dia. Os cálculos foram efetuados e os resultados de massa de óleo extraído, rendimento, volume e densidade foram obtidos. Para 100 sementes de Mamona pesadas teve-se a massa de 24,3036g e quando realizada a extração do óleo a massa de óleo retida na semente de Mamona foi de 10,1096g ± 0,1119, com isso o rendimento médio equivale a 41,5970%. O rendimento de óleo presente encontra-se na faixa esperada, validando o uso da água como solvente extrator. O volume de óleo extraído foi de 10,54mL ±0,1167 e a densidade do óleo de Mamona foi de 0,9540 g.mL-1 ±0,0105. De acordo com a Associação Brasileira de Química a densidade relativa para o óleo de Mamona à 20°C é de 0,9245 g.mL-1. De acordo com a ANP essa densidade varia de 0,8 a 0,9 g.mL-1 para as mesmas condições de temperatura. Os valores obtidos ao final para densidade, massa de óleo retido na semente, volume de óleo extraído e rendimento foram respectivamente, 0,9540 g.mL-1, 10,1096g, 10,54mL e 41,5970%. Com os resultados obtidos a partir da caracterização, pode-se concluir a eficácia da metodologia utilizada para extração do óleo de Mamona mostrando-se viável, no sentido econômico e ambiental, o uso de água como solvente extrator em comparação ao uso de solventes químicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
ARAUJO, Y.; BRITO COLLARES DA SILVA, C.; VIEIRA SOARES, G.; REGINA DE SOUZA, T.; MACHADO RODRIGUES, L. CARACTERIZAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS L.). Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.