ESTUDO DA ADSORÇÃO DE AZUL DE METILENO A PARTIR DA CASCA DE ACÁCIA-NEGRA

  • Larissa Gomes
  • Emanuelle Burato de Araújo
  • Andre Ricardo Felkl De Almeida
Rótulo Tratamento, Efluentes, Adsorção, Azul, Metileno, Resíduos, Vegetais, Acácia-negra

Resumo

A Acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild) é uma das espécies florestais mais cultivadas no Brasil para produção madeireira e extração de taninos para curtumes. Gera como resíduo sua casca, que não apresenta valor agregado, todavia possui alto potencial adsortivo. O processo de adsorção é amplamente utilizado para o tratamento de efluentes da indústria têxtil. Estas industrias são responsáveis por gerar efluentes em grandes volumes e alta toxicidade. O grau de fixação de corantes à tecidos é de 50 a 90%, o restante da concentração do corante permanece no efluente. Além da alta eficiência na remoção desses corantes, a adsorção apresenta simplicidade de operação e baixo custo. A técnica baseia-se no fenômeno físico-químico de superfície que consiste na transferência de um componente líquido ou gasoso para a superfície de uma fase sólida. Em vista disso, o objetivo deste trabalho foi estudar o potencial de adsorção do corante azul de metileno pelos resíduos da casca da Acácia-negra. Realizou-se ensaios de cinética e isoterma de adsorção. Os experimentos de cinética foram realizados deixando as amostras em contato com a solução de azul de metileno por diferentes tempos. Já para o estudo das isotermas, variou-se a massa das amostras e mantiveram-se fixos as concentrações iniciais da solução de corante. Os dados cinéticos foram ajustados aos modelos de pseudo primeira ordem, pseudo segunda ordem e difusão intrapartícula para a avaliação dos mecanismos de transferência de massa. Nas isotermas de adsorção ajustou-se os modelos de Freundich, Langmuir e Sips para a avaliação da capacidade máxima do processo. Para avaliar a qualidade dos ajustes aos modelos, fez-se uso da tabela de ANOVA em 95% de confiança, bem como os parâmetros estatísticos de erro médio relativo (Pp %), qui-quadrado (X²) e coeficiente de correlação (R²). Os resultados cinéticos obtidos mostraram que o modelo de pseudo segunda ordem foi o que melhor descreveu o processo. Este resultado aliado ao tempo de equilíbrio rápido, menor que 10 minutos, indica que o mecanismo de transferência de massa predominante é a convecção. Em relação às isotermas de adsorção, o modelo que melhor se ajustou ao experimento foi o modelo de Sips, apresentando uma capacidade máxima de adsorção de 12,86 mg∙g-1 e parâmetros estatísticos mais satisfatórios. As curvas de capacidade de adsorção em função da concentração dos modelos das isotermas demonstram que as isotermas obtidas podem ser classificadas como do tipo L (subgrupo 1), indicando que o processo é favorável e a adsorção ocorre em camadas. O material apresentou eficiência de 97,4% na remoção do corante.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
GOMES, L.; BURATO DE ARAÚJO, E.; RICARDO FELKL DE ALMEIDA, A. ESTUDO DA ADSORÇÃO DE AZUL DE METILENO A PARTIR DA CASCA DE ACÁCIA-NEGRA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.