CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DO ANGICO-VERMELHO IN NATURA E TRATADO COM H3PO4 PARA USO COMO ADSORVENTE

  • Tereza Rodrigues
  • André Ricardo Felkl de Almeida
  • Gabriela Silveira da Rosa
Rótulo Azul, Metileno, Angico-vermelho, Adsorção, Caracterização

Resumo

O Angico-vermelho (Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan), consiste em uma planta que gera uma quantidade elevada de resíduos, os quais apresentam aspecto seco, além de não possuir aplicação e valor comercial conhecidos. O uso de biomassas tem se destacado na adsorção de poluentes e, desta forma, o presente trabalho tem como objetivo realizar a caracterização dos resíduos de Angico-vermelho in natura e tratado com H3PO4, a fim de avaliar suas propriedades e analisar possível emprego como material adsorvente. Assim, as cascas da vagem de angico-vermelho foram moídas, lavadas com água corrente e secas em estufa a 105°C por 24 h. A impregnação do material foi realizada pela adição de solução H3PO4/precursor 2:1 em massa, seguida de uma lavagem com NaOH (0,1 M) para a sua neutralização e nova secagem nas condições já descritas. Os materiais foram caracterizados quanto ao diâmetro de partícula (dps), massa específica real (ρr) e bulk (ρb), porosidade do leito de partículas (ε), análise imediata através dos teores de umidade (Ubu), cinzas (CZ), voláteis (MV) e carbono fixo (CF), e análise térmica (DTGA). As análises indicaram que a impregnação com H3PO4 promoveu uma redução de 19% no dps devido à desidratação promovida pelo agente ativante, modificando sua estrutura, o que pode indicar um aumento na área superficial específica. Os resultados de ρr e ρb foram de, respectivamente, 1476,20 e 376,26, no resíduo in natura, e 1471,38 e 418,14, no material impregnado. A porosidade do leito de partículas foi 0,75 antes e 0,72 após a impregnação, não sendo muito influenciada pelo tratamento químico. A análise imediata indicou que a impregnação promoveu redução na umidade do material, bem como a quantidade de voláteis foi correspondente a 64,65%, típico de biomassas as quais são compostas basicamente de carbono, hidrogênio e oxigênio que são volatilizados rapidamente. O tratamento químico proporcionou aumento do teor de carbono fixo, o qual consiste em uma característica relevante para um bom material adsorvente. A análise de DTGA sugeriu a perda de água e compostos com baixo peso molecular, em aproximadamente 100°C, a degradação das hemiceluloses em aproximadamente 300°C, e a degradação de grupos com oxigênio da superfície do material como a celulose e a lignina em torno de 350°C. O pico em 100°C foi mais acentuado na amostra in natura, devido ao seu teor de umidade mais elevado, bem como o pico em 350°C, indicando que o tratamento químico levou à degradação da celulose e lignina; a ausência do pico em 300°C na amostra impregnada com H3PO4 sugeriu que o tratamento levou à degradação das hemiceluloses. Assim, foi possível concluir que a ativação química dos resíduos de Angico-vermelho com H3PO4 promoveu uma melhora nas características físicas, bem como a degradação de compostos indesejados, indicando que o material quimicamente tratado apresenta potencial para seu emprego como adsorvente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
RODRIGUES, T.; RICARDO FELKL DE ALMEIDA, A.; SILVEIRA DA ROSA, G. CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DO ANGICO-VERMELHO IN NATURA E TRATADO COM H3PO4 PARA USO COMO ADSORVENTE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.