AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DE COMPOSTOS BIOATIVOS E ATIVIDADE ANTIMICROBIANA EM EXTRATOS DE FOLHAS DE OLIVEIRA E CASCAS DE JABUTICABA

  • Elis Barreto
  • Elis Regina Correa Barreto
  • Luisa Bataglin Avila
  • Thamiris Renata Martiny
  • Gabriela Silveira Da Rosa
  • Caroline Costa Moraes
  • Marcilio Machado Morais
Rótulo Liofilização, atividade, antioxidante, micro-ondas

Resumo

A oliveira (Olea europaea L.) é pertencente à família botânica Oleaceae e seus frutos servem como matéria-prima para extração de azeite e produção de azeitona em conserva. Como resíduos dessa cultura tem-se as suas folhas, que são descartadas no sistema de produção, e que são ricas em compostos fenólicos. A jabuticaba (Plinia cauliflora) é uma fruta nativa do Brasil, que possui casca avermelhada e características biológicas que sugerem que esta fruta seja rica em compostos bioativos e dentre eles os compostos fenólicos. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi obter compostos bioativos presentes em folhas de oliveira e em cascas de jabuticaba através do método de extração assistida por micro-ondas e compará-los entre si quanto a atividade antioxidante (AA), teor de compostos fenólicos totais (CFT) e atividade antibacteriana frente a bactéria E. coli. Os extratos foram produzidos em condições experimentais otimizadas, obtidas em trabalhos anteriores. Os extratos das folhas da oliveira foram obtidos utilizando-se a massa de 0,5 g do pó das folhas secas, 25 mL de água acidificada com ácido clorídrico como solução extratora (pH 6) na temperatura de 100°C por 2 min. Os compostos das cascas de jabuticaba previamente liofilizadas foram extraídos utilizando-se a massa de 0,5 g de amostra, 25 mL de água acidificada com ácido clorídrico (pH 1), na temperatura de 80°C por 1 min de extração. As extrações assistidas por micro-ondas foram realizadas em uma unidade de micro-ondas multimodo com frequência e potência de irradiação de 2,45 GHz e 1000 W, respectivamente. Após as extrações, os extratos aquosos foram filtrados e caracterizados. Foram encontrados os valores de 89,52% de AA, 115,96 mgGAE.g-1 (b.s.) de CFT nas folhas de oliveira e concentração mínima inibitória de 50 mg.mL-1 contra a bactéria E. coli. Nas cascas de jabuticaba, foram encontrados os valores de 92,6% de AA, 348,92 mgGAE.g-1 (b. s.) de CFT e concentração mínima inibitória de 50 mg.mL-1contra a bactéria E. coli. Os resultados encontrados demostraram que o extrato das cascas de jabuticaba possui mais CFT, quando comparado com o extrato de folhas de oliveira. A AA dos extratos das duas fontes foram semelhantes, demonstrando que ambos os materiais apresentam um grande potencial antioxidante, ao redor de 90% de inibição do radical DPPH. Da mesma forma, ambos os extratos demostraram potencial antibacteriano, apresentando a concentração mínima inibitória igual. Os resultados explicitam que apesar do extrato de folha de oliveira apresentar menor CFT, isso não se refletiu em sua capacidade antimicrobiana e nem em sua AA. Essas excelentes características encontradas para os extratos sugerem potenciais aplicações futuras, sobretudo na substituição dos aditivos alimentares sintéticos que visam prolongar a vida de prateleira e estender a qualidade do alimento embalado, constituindo assim, aditivos alimentares naturais, que possui a vantagem de aproveitar resíduos da indústria.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
BARRETO, E.; REGINA CORREA BARRETO, E.; BATAGLIN AVILA, L.; RENATA MARTINY, T.; SILVEIRA DA ROSA, G.; COSTA MORAES, C.; MACHADO MORAIS, M. AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DE COMPOSTOS BIOATIVOS E ATIVIDADE ANTIMICROBIANA EM EXTRATOS DE FOLHAS DE OLIVEIRA E CASCAS DE JABUTICABA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.