RECUPERAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS DE SUBPRODUTOS DA OLIVICULTURA

  • Larah Paulino
  • Mariana Fuchs Costa
  • Paloma dos Santos Pereira
  • Thamiris Renata Martiny
  • Gabriela Silveira Da Rosa
  • Catarina Motta de Moura
Rótulo Oliveira, Extração, Folha, oliveira, Bagaço, Maceração, dinâmica

Resumo

A indústria do azeite gera uma grande quantidade de subprodutos, como o bagaço da azeitona, os galhos e as folhas da oliveira. Tais subprodutos constituem cerca de 10% do peso total da produção. Diante desse cenário, os extratos da folha e do bagaço da oliveira podem representar uma fonte para recuperação de compostos com potencial bioativo, a saber, os compostos fenólicos. Muitos estudos têm demonstrado a atividade antimicrobiana e antioxidante de compostos fenólicos. Nesse contexto, a incorporação de extratos de folhas de oliveira e do bagaço em sistemas alimentares poderia representar a substituição de aditivos sintéticos, como os conservantes alimentícios. Este trabalho tem como objetivo produzir extratos do bagaço (EBO) e das folhas de oliveira (EFO) e quantificar o conteúdo de compostos fenólicos. A maceração dinâmica foi o método empregado para a obtenção de ambos os extratos, na qual se utilizou água como solvente (pH = 6) e temperatura de 60°C. Diante dessas condições, os extratos foram avaliados através da resposta de compostos fenólicos totais (FT) pelo método espectrométrico Singleton e Rossi. Os resultados dos compostos fenólicos totais foram expressos em miligramas de equivalente de ácido gálico por grama de matéria seca (mgGAE.g-1 b.s). As análises foram realizadas em triplicata. O resultado para o EFO foi de 52,96 mgGAE.g-1 de FT em 2 h de extração. Para o EBO foi de 73,58 mgGAE.g-1 de FT em 1 h de extração. Os resultados obtidos demonstram que as extrações dos compostos fenólicos no EBO foram maiores em um menor intervalo de tempo do que no EFO. Essa resposta sugere que o EFO pode ser mais sensível à temperatura empregada. O tempo de extração e a temperatura podem ter contribuído para uma maior degradação dos compostos. Além disso, diferentemente das folhas, o bagaço é constituído por mais partes da planta - fragmentos de pele, polpa, pedaços de caroço de azeitona e óleo- o que contribui para uma maior extração dos compostos de interesse. As concentrações de compostos fenólicos em ambos os extratos foram satisfatórias quando comparadas à dados da literatura, constituindo assim como recursos para a recuperação de compostos fenólicos com potencial de aplicação como aditivos alimentares. Salienta-se que mais pesquisas devem ser realizadas visando à investigação do poder antioxidante e antimicrobiano o extrato e posteriores aplicações.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
PAULINO, L.; FUCHS COSTA, M.; DOS SANTOS PEREIRA, P.; RENATA MARTINY, T.; SILVEIRA DA ROSA, G.; MOTTA DE MOURA, C. RECUPERAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS DE SUBPRODUTOS DA OLIVICULTURA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.