EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

  • Taiana Lago
  • Solange Emilene Berwig
Rótulo Educação, Permanente, SUS, Qualificação, profissional

Resumo

Este estudo foi elaborado à partir de uma pesquisa exploratória, do tipo qualitativa, que utilizou para seu desenvolvimento a coleta documental, tendo como amostra intencional a Política de Educação Permanente do SUS, a análise desenvolvida está embasada na análise de conteúdo de Moraes (1998). O objetivo deste resumo é refletir sobre a importância da educação permanente enquanto política para a qualificação dos processos de trabalho dos trabalhadores na área da Saúde. Pensar nas mudanças no campo da saúde no Brasil, é pensar em uma mudança de paradigma pela emergência de um novo olhar sobre este campo. Tais mudanças exigem implementar processos de educação permanente para a garantia de direitos e a qualificação dos serviços prestados à população. A Educação Permanente tem o potencial de instituir no ambiente laboral, junto aos trabalhadores e equipes profissionais um estado de constante questionamento e reflexão acerca da pertinência e adequação dos seus processos de trabalho. Ainda, adequar as práticas profissionais quanto ao reconhecimento dos usuários como sujeitos de direitos capazes de agir para a modificação da realidade, demandas e aspirações das populações com as quais trabalham. Em 2009, através de esforços conjuntos dos trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), Ministério da Saúde (MS), e grupos da sociedade civil organizados, estruturou-se a construção de uma proposta aprovada como Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS). A PNEPS é concebida como estratégia do SUS para o processo de formação e desenvolvimento de trabalhadores, seus objetivos são: desenvolvimento de pesquisa, avaliação e planejamento de ações que compreendam a dimensão ampliada da saúde e integre outras políticas. (BRASIL, 2004). A necessidade de pensar ações que compreendam a dimensão ampliada da saúde no Brasil vem se desdobrando em diversas ações no campo da formação. Assim, a ideia de um processo de educação permanente no SUS, viabiliza incorporar um espaço para pensar, planejar, estudar e avaliar, novas ações de cuidado e proteção a partir das necessidades do território. A PNEPS representa um marco para a formação e trabalho em saúde no país. Resultado de lutas e esforços em torno da defesa do SUS e da política de educação dos profissionais de saúde, como forma de promover a transformação das práticas do trabalho em saúde, a PNEPS é uma conquista da sociedade brasileira. Em vista disso é que nos debruçamos a observar a política de educação permanente do SUS como uma possibilidade de viabilizar no campo prático do cotidiano de trabalho os avanços já instituídos no campo legal do SUS. Sem dúvida, a política de Educação Permanente significa um avanço na área da saúde, e sua materialização requer esforços na articulação de parcerias institucionais entre serviço e ensino, educação e trabalho, numa perspectiva de compartilhamentos de responsabilidade para o desenvolvimento de processos formativos e qualificação dos serviços do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
LAGO, T.; EMILENE BERWIG, S. EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.