EDUCAÇÃO: FERRAMENTA DE TRANSFORMAÇÃO OU DE DIFERENÇA ENTRE CLASSES?

  • Emanuele Kreps
  • Jaqueline Hoscharuck
  • Bruna Sabaranski Bordignon
  • Neiva Maria Buchkoski
  • Jonas Antônio Bertolassi
  • Taíse Morgana Presotto
Rótulo Desigualdades, Qualidade, Mudança

Resumo

A primeira forma de relação entre o Estado e a Educação escolar se desenvolveu durante o século XX, na chamada Escola para Todos, ou seja, escola oficial, obrigatória, gratuita e laica. Contudo, haviam críticas devido a sua conivência com o sistema econômico baseado na desigualdade. É perceptível que a luta pela escola pública obrigatória, vem a tempos sendo debatida entre educadores, e esse debate é tanto sobre a universalização do acesso e permanência, a qualidade do ensino e educação, o atendimento as diferenças culturais e sociais, tanto da formação para a cidadania crítica. Ainda se tem visto contradições que não foram resolvidas entre quantidade e qualidade a respeito ao direito à escola, e a diferença de duas escolas, uma voltada no conhecimento e a outra e em questões sociais. Nesse sentido, esse resumo busca refletir e discutir, brevemente, sobre a educação e seus aspectos sociais, abordando algumas desigualdades existentes na educação. Dessa forma, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, para refletir sobre o assunto. A pesquisa bibliográfica, foi realizada a partir de uma revisão da literatura em livros, periódicos, artigos, revistas e documentos existentes em bibliotecas, bem como em endereços eletrônicos. Os autores apontam que houve uma diferenciação entre as escolas, ocorrendo uma inversão das funções e uma distorção dos objetivos da escola. Para os pobres, restou uma escola sem conteúdo e com acolhimento social e socialização, o que se mostrou como um novo padrão de qualidade. E o que sobrou para a escola dos ricos foi um ensino focado na formação cultural e científica. Ou seja, um grande distanciamento entre a escola dos ricos e pobres, não propiciando as mesmas condições para os dois grupos, não sendo justa, nem igualitária. É apontado por alguns autores, que as questões de educação estão relacionadas com a distribuição da renda e da riqueza, sendo inclusive parecidas. Citando sobre o distanciamento entre os pobres e ricos e os acessos disponíveis aos conhecimentos. É proposto e sugerido, em estudos, que para acabar com o dualismo da escola, é necessário que se articule a formação cultural e científica com as práticas socioculturais em que se manifestam diferenças, valores e formas de conhecimento local e cotidiano. Percebe-se a partir da discussão que, ainda nos dias atuais, quem tem mais renda e riqueza, tem maior acesso à educação e quem não tem as mesmas condições, tem uma precariedade de estudo e conhecimento. O direito a educação está relacionado sobre a permanência e garantia dos direitos. A educação é sobre o conhecimento e o seu poder de mudança, não uma distinção entre classes, todos tem o direito de ter educação, conhecimento, se tornar um ser pensante e lutar por seus direitos de maneira justa e de forma que todos tenham as mesmas possibilidades. Dessa forma, não pode haver diferença entre classe, pois, a educação é o que torna a mudança possível, e é o que dá a condição de transformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
KREPS, E.; HOSCHARUCK, J.; SABARANSKI BORDIGNON, B.; MARIA BUCHKOSKI, N.; ANTÔNIO BERTOLASSI, J.; MORGANA PRESOTTO, T. EDUCAÇÃO: FERRAMENTA DE TRANSFORMAÇÃO OU DE DIFERENÇA ENTRE CLASSES?. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.