QUEM TEM MEDO DAS FEMINISTAS? ANÁLISE CRÍTICA DOS PRINCIPAIS FEMINISMOS

  • Maria Souza
  • Maria Paula dos Santos da Cruz
  • Jéssica Pinto Moura
  • Ana Bárbara Ribeiro Montiel
  • Leandro Porto Marques
  • Jefferson Marçal da Rocha
Rótulo Feminismo, Vertentes, feministas, Igualdade

Resumo

O objetivo deste estudo foi fazer uma discussão crítica sobre os feminismos, passando pelas cinco principais vertentes feministas que são: feminismo negro, feminismo interseccional, feminismo radical, feminismo liberal e feminismo marxista. Para realizar esse estudo, adotou-se a metodologia de análise bibliográfica sobre os feminismos e principalmente sobre o feminismo marxista. O feminismo é um movimento político e social que busca a equidade de gênero. Um outro aspecto a destacar é que o capitalismo não originou à opressão das mulheres, mas que se aproveitou disso. Mulheres foram e ainda são oprimidas por homens das mais diversas vertentes ideológicas desde os liberais até os comunistas. Mesmo na história das lutas classistas o papel das mulheres raramente foi encarado pelos homens com igual importância. No Brasil, o feminismo negro surgiu nos anos 1980 junto com um significativo aumento dos movimentos sociais negros. As mulheres negras não tinham uma representatividade nas lutas pelos direitos das mulheres, exemplo disso é o movimento sufragista que defendia direito de voto apenas para mulheres brancas. As mulheres negras além do machismo sofrem racismo, genocídio do povo negro, intolerância religiosa, lgbtfobia, hipersexualização de corpos e além disso a pobreza e a falta de infraestrutura nas periferias. O feminismo interseccional é aquele que mistura a luta de gênero e outras pautas de movimentos sociais de minorias. Vemos nesse feminismo a luta transfeminista e lésbofeminista. Essa vertente feminista é a mais aberta à participação de homens. O feminismo radical nasceu nos anos 1960, nessa vertente acredita-se que os papéis sociais impostos aos gêneros são a raiz de toda a violência sofrida pelas mulheres. Esse feminismo anda por diversas correntes ideológicas, uma delas é a que exclui transexuais. O feminismo liberal acredita que as mulheres poderão combater a desigualdade através de reformas políticas e busca maior representatividade das mulheres nas eleições. O feminismo marxista surge nos anos 1970, com o propósito de organização feminina independente de partidos e grupos políticos. As feministas marxistas defendem a centralidade do trabalho, direito ao aborto legal e seguro, igualdade salarial, maternidade livre, e acreditam que a luta por equidade de gênero deve estar ligada às lutas classistas e reformas políticas. Apesar do feminismo marxista propor um feminismo inclusivo em sua teoria, na prática ele é excludente pois não acredita em representatividade fora de partidos políticos e no empoderamento da mulher a partir de outras lutas. Esse feminismo apesar de incorporar a luta de classes como fator importante, está longe do ideal por suas inúmeras falhas. Mas seu diferencial é construir uma alternativa ao marxismo clássico, procurando unir-se a algumas lutas que se encontram em outras vertentes feministas. Pois a luta das mulheres é por uma sociedade igualitária, justa e democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
SOUZA, M.; PAULA DOS SANTOS DA CRUZ, M.; PINTO MOURA, J.; BÁRBARA RIBEIRO MONTIEL, A.; PORTO MARQUES, L.; MARÇAL DA ROCHA, J. QUEM TEM MEDO DAS FEMINISTAS? ANÁLISE CRÍTICA DOS PRINCIPAIS FEMINISMOS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.