PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ÓBITOS POR AIDS EM URUGUAIANA: ESTUDO DESCRITIVO

  • Pedro de Vargas
  • Beatriz Herbst Sanday
  • Maria Eduarda Grutzmacher
  • Brenda Maria Chaves Gomes
  • Maria Aparecida de Medeiros Bofill
  • Lucas Pitrez Mocellin
Rótulo HIV, Aids, Vigilância, epidemiológica, Comitê, mortalidade, aids

Resumo

Em virtude de Uruguaiana ser um dos 14 municípios do Estado do Rio Grande do Sul que, juntos, concentram 70% das notificações de casos no estado e são considerados prioritários para o enfrentamento ao HIV/aids, a Secretaria Municipal de Saúde instituiu, em 2017, o Comitê de investigação da Mortalidade por aids (CMaids) de Uruguaiana, visando ao fortalecimento das ações contra essa epidemia. O objetivo deste estudo é caracterizar o perfil epidemiológico dos óbitos por aids em Uruguaiana nos anos de 2018 e 2019. Este é um estudo descritivo onde os dados foram coletados a partir dos sistemas de informação SINAN-aids, SIM, SISCEL e SICLOM, além de um questionário online de investigação dos casos, que é preenchido por todos os serviços de saúde do município. As respostas obtidas são estudadas, ordenadas e traçadas em uma linha do tempo que pormenoriza o curso terapêutico percorrido pelo paciente a partir da primeira vez que foi acolhido na rede de serviços de saúde de Uruguaiana até seu óbito. Variáveis sociodemográficas, clínicas e relacionadas à vigilância dos casos foram descritas e analisadas. O software SPSS versão 22 foi utilizado para análise descritiva dos dados, apresentando as frequências absolutas e relativas de cada variável. Os resultados apresentados referem-se a dados completos de 2018 e parciais de 2019. As investigações totalizaram 38 casos, sendo destes 26 (68,4%) referentes a óbitos por aids. Um total de 18 mortes ocorreram em 2018 e 8 em 2019. Pessoas do sexo masculino (57,7%), raça/cor branca (69,2%) e escolaridade entre 4 a 9 anos de estudo (65,4%) foram os mais comuns na população estudada. A média de idade foi de 41 anos (DP=10,5). Usuários de álcool constituíram 33,3%, enquanto de drogas ilícitas, 28,6%, além da alta vulnerabilidade social representar 23,8%. A forma de transmissão do HIV por via sexual (heterossexual) demonstrou 84,6%. Quanto aos critérios de gravidade do indivíduo para investigação pelo CMaids, 26,9% se enquadraram em óbitos ocorridos até 2 anos após o diagnóstico do HIV, 19,2% em critério óbito (diagnóstico somente no momento da morte), 7,7% em coinfecção HIV/tuberculose em pessoas com menos de 50 anos e 46,2% não atendiam nenhum destes. Em relação ao local de ocorrência do óbito, 92,3% foi em serviço de saúde (Hospital Santa Casa). Após a análise caso a caso realizada pelo CMaids, observou-se que 84,6% poderiam ter sido evitados. Os achados do estudo possibilitaram a caracterização dos óbitos por aids em Uruguaiana, auxiliando na identificação do perfil de pacientes que morrem devido a referida infecção. As evidências geradas auxiliarão na elaboração de estratégias efetivas locais para prevenção dos óbitos e, consequentemente, enfrentamento da epidemia de HIV/aids.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
DE VARGAS, P.; HERBST SANDAY, B.; EDUARDA GRUTZMACHER, M.; MARIA CHAVES GOMES, B.; APARECIDA DE MEDEIROS BOFILL, M.; PITREZ MOCELLIN, L. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ÓBITOS POR AIDS EM URUGUAIANA: ESTUDO DESCRITIVO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.