POLPA DO FRUTO DO POMELO (CITRUS MÁXIMA) POSSUI ELEVADA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE IN VITRO

  • Micaela de Oliveira
  • Jacqueline da Costa Escobar Piccoli
  • Sílvia Muller de Moura Sarmento
  • Vinícius Tejada Nunes
  • Vanusa Manfredini
Rótulo Atividade, antioxidante, Pomelo, Citrus, maxima

Resumo

O pomelo (Citrus maxima), também chamada laranja-natal ou cimbo, é a fruta cítrica, pertencente à família Rutaceae, árvore com 5 a 8 m de altura. Está amplamente distribuída nas regiões tropicais e subtropicais. Os frutos podem ser consumidos ao natural ou podem ser industrializados, resultando em diferentes produtos, como sucos, óleos essenciais, refrigerante e pectina. O pomelo é a maior das frutas cítricas, e pode pesar até dois quilos. Estudos recentes mostram que o extrato das folhas possuem diferentes atividades biológicas como antimicrobiana, antiinflamatória, antioxidante e hepatoprotetora em vários modelos de estudo. Por esse motivo o pomelo é considerado um alimento funcional, entretanto, ainda pouco consumido pela população. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar os compostos fitoquímicos e avaliar a atividade antioxidante in vitro do extrato aquoso da polpa dos frutos do pomelo. Para esse estudo os pomelos foram adquiridos de um produtor no interior do município de Uruguaiana, transportados até o laboratório da UNIPAMPA onde foram higienizados, descascados e os frutos foram triturados em liquidificador na presença de água destilada (25g%). O extrato foi posteriormente liofilizado e o pó resultante foi acondicionado em frasco âmbar e congelado a -80ºC. Parte do extrato foi utilizada para análise fitoquímica por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) realizada em colaboração com UFSM e outra parte para a atividade antioxidante in vitro. O ensaio de DPPH foi realizado segundo Sharma and Bhat (2009), ABTS conforme descrito por Re et al. (1999) e conteúdo de polifenóis segundo (Singleton, 1999). Os resultados obtidos mostraram os perfis espectrais dos principais picos no cromatograma a presença de ácido gálico, epicatequina, ácido cafeico, catequina, rutina e apigenina. O ácido cafeico (3,82mg/g) e a epicatequina (2,95mg /g) foram os principais compostos presentes na amostra de polpa de frutas. Já a atividade antioxidante in vitro apontou a presença de fenólicos totais na polpa dos frutos numa concentração que variaram entre 2,92 a 9,53 mg de GAE/mL, apresentando comportamento dose-dependente. Nos ensaios ABTS e DPPH, a polpa dos frutos obteve uma porcentagem de inibição de respectivamente de 22,3% a 35,1% e 36,6% a 76,0%. Com isso, sugere-se que o extrato aquoso da polpa do pomelo possui elevada quantidade de compostos fenólicos, o que pode sugerir a elevada atividade antioxidante in vitro encontrada.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
DE OLIVEIRA, M.; DA COSTA ESCOBAR PICCOLI, J.; MULLER DE MOURA SARMENTO, S.; TEJADA NUNES, V.; MANFREDINI, V. POLPA DO FRUTO DO POMELO (CITRUS MÁXIMA) POSSUI ELEVADA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE IN VITRO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.