AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DA BOMBA DE EFLUXO FRENTE AOS ISOLADOS RESISTENTES DO COMPLEXO SPOROTHRIX SCHENCKII

  • Ana Poletto
  • Jennifer Veppo Prade
  • Ticiane da Rosa Pinheiro
  • Gabriela Seibert
  • Cheila Denise Ottonelli Stopiglia
Rótulo esporotricose, resistência, bomba, efluxo

Resumo

A esporotricose é uma micose subcutânea, causada por fungos pertencentes ao Complexo Sporothrix schenckii, presentes no solo e na vegetação. Esta zoonose acomete principalmente gatos, porém já foi descrita em diversas espécies de animais. O presente estudo teve como objetivo avaliar a atividade da bomba de efluxo nos isolados de Sporothrix schenckii resistentes ao itraconazol. A concentração inibitória mínima (CIM) do itraconazol utilizada foi na faixa de 0,03125 a 16 µg/mL, sendo esta, determinada pelo método de microdiluição em caldo, conforme descrito pelo protocolo M38-A2 do Clinical and Laboratory Standards Institute - CLSI. Foram avaliados dez isolados clínicos de Sporothrix spp. a partir de culturas de sete dias em ágar batata dextrose, incubadas a 28ºC. Os inóculos foram ajustados para uma concentração final de 0,5 a 2,5 ×10³ células /mL. As placas de microdiluição foram incubadas a 35ºC por 72h. A CIM do itraconazol foi determinada como a menor concentração de fármaco capaz de inibir o crescimento fúngico total. Para a análise da atividade da bomba de efluxo, foram utilizados os quatro isolados resistentes ao itraconazol detectados no ensaio anterior. Estes micro-organismos foram avaliados frente a dois inibidores da bomba de efluxo, prometazina e verapamil, pelo método de checkerboard. Para isso foi utilizado itraconazol na faixa de concentração de 0,03125 a 16 µg/mL e concentrações sub-inibitórias de prometazina (CIM/8 = 24 µg/mL) e verapamil (CIM/8 = 100 µMol). Para os quatro isolados avaliados não houve redução da CIM para itraconazol na presença dos inibidores verapamil e prometazina. Assim, o presente estudo sugere que o mecanismo de resistência dos isolados avaliados não é a presença de bombas de efluxo. No entanto, um número maior de isolados precisa ser avaliado para corroborar com esses achados.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
POLETTO, A.; VEPPO PRADE, J.; DA ROSA PINHEIRO, T.; SEIBERT, G.; DENISE OTTONELLI STOPIGLIA, C. AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DA BOMBA DE EFLUXO FRENTE AOS ISOLADOS RESISTENTES DO COMPLEXO SPOROTHRIX SCHENCKII. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.