ADSORÇÃO DE TETRACICLINA EMPREGANDO NANOADSORVENTES MAGNÉTICOS

  • Franciele Bruckmann
  • Franciele da Silva Bruckmann
  • Theodoro da Rosa Salles
  • Ivana Zanella da Silva
  • Cristiano Rodrigo Bohn Rhoden
Rótulo Magnetização, Micropoluentes, Nanotecnologia

Resumo

Muitos dos fármacos que ingerimos são parcialmente metabolizados pelo nosso organismo e grandes frações são excretadas na forma ativa, como é o caso da tetraciclina (TC). Entretanto, a maioria destes micropoluentes não são removidos de águas residuárias, devido sua complexidade estrutural, solubilidade, pH, entre outros fatores (XIONG et al., 2018; AGWUH; MACGOWAN, 2006). Para que a remoção ocorresse, as estações de tratamento de efluentes atuais demandariam de técnicas efetivas para a remoção destes compostos. Tendo em vista a problemática, o óxido de grafeno (GO) demonstra-se como um forte candidato a remoção deste poluente, uma vez que, estudos reportam excelentes resultados na adsorção de fármacos e outros microcontaminantes. Não obstante, a incorporação de nanopartículas magnéticas oferece vantagens excepcionais, como a exclusão das etapas de filtragem e centrifugação (RHODEN et al., 2017). Neste sentido, este trabalho teve como objetivo realizar o estudo da adsorção de tetraciclina em GO com diferentes quantidades de ferrita incorporada. Os ensaios de adsorção foram realizados em regime batelada, nas condições de ensaio: concentração inicial de TC igual a 50 mg.L-1, temperatura ambiente, 50 mg de adsorvente (GO, GO. Fe3O4 1:1, GO. Fe3O4 1:5 e GO. Fe3O4 1:10) e volume de 100 mL de solução. Durante o ensaio, foram coletadas alíquotas nos tempos de 0, 5, 15, 30, 45, 60, 75, 90, 120, 150 e 180 min e posteriormente, quantificadas via espectroscopia na região do ultravioleta (λ=380 nm). Para as análises o GO foi separado da solução por centrifugação a 10000 rpm e as amostras de GO contendo Fe3O4 foram separadas das soluções utilizando um ímã. Após a quantificação, calculou-se o percentual de fármaco removido e verificou-se qual melhor modelo de adsorção para o estudo em questão. Constatou-se que, à medida que o incremento de ferro ao GO aumentou, houve um decréscimo significativo na taxa de remoção. Entretanto, os valores de KF demonstraram que quanto maior a proporção de ferrita, melhor a interação adsorvente/adsorbato e consequentemente, mais provável a adsorção ocorrer (RHODEN, 2018). Conclui-se que o nanoadsorvente magnético demonstrou-se eficaz na remoção de tetraciclina. Pelos valores de R2 foi possível verificar que o estudo experimental é mais bem descrito pelo modelo de Freundlich, admitindo uma adsorção heterogênea.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
BRUCKMANN, F.; DA SILVA BRUCKMANN, F.; DA ROSA SALLES, T.; ZANELLA DA SILVA, I.; RODRIGO BOHN RHODEN, C. ADSORÇÃO DE TETRACICLINA EMPREGANDO NANOADSORVENTES MAGNÉTICOS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.