A INFLUÊNCIA DO POSICIONAMENTO DA PARTURIENTE NO ALÍVIO DA DOR DO TRABALHO DE PARTO

  • Cíntia Lemes
  • Bruno Pereira Souza
  • Luana Antunes Sigaran
  • Halima Kamal Ayed Judeh
  • Maria Eduarda Schott
  • Lisie Alende Prates
Rótulo Saúde, mulher, Enfermagem, obstétrica, Dor, parto, Manejo, dor, Terapias, complementares

Resumo

A dor durante o trabalho de parto (TP) e parto pode ser vista como um dos principais fatores geradores de ansiedade e medo entre as gestantes. Apesar de fisiológica e esperada, a percepção dolorosa pode estar intimamente ligada ao ambiente, sentimento de segurança da parturiente e a utilização de métodos não farmacológicos (MNF) de alívio da dor. Os MNF são um conjunto de técnicas para o alívio da dor, como a massagem, técnicas de respiração, uso da bola suíça, o banho de imersão/aspersão e o livre posicionamento da parturiente. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi analisar as evidências científicas sobre a influência do posicionamento da parturiente no alívio da dor no TP e parto. Trata-se da etapa inicial do projeto de extensão Descomplicando a dor no trabalho de parto e parto com a utilização de métodos não farmacológicos, para elaboração de materiais educativos ligados ao tema e realização de ação de sensibilização e instrumentalização de gestantes, profissionais e acadêmicos da área da saúde. Método: revisão integrativa atrelada ao projeto de extensão Descomplicando a dor no trabalho de parto e parto com a utilização de métodos não farmacológicos. Inicialmente, foi proposta revisão na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), PubMed e Scopus, a fim de identificar as evidências científicas disponíveis sobre os diferentes métodos não farmacológicos de alívio da dor no TP e parto. Neste estudo, estão presentes resultados parciais dessa revisão, do banco de dados da BVS. Foram identificados 162 estudos no total e 11 foram selecionados. Os critérios de inclusão foram artigos oriundos de estudos primários, no idioma português, espanhol ou inglês. Foram excluídas produções que não responderam a questão de pesquisa. Constatou-se que a liberdade de posição da parturiente pode promover um nível mais elevado de conforto. A posição verticalizada, por exemplo, associa-se com o efeito positivo da gravidade que, juntamente com uma maior mobilidade pélvica, beneficia o processo de dilatação cervical e descida fetal. Observou-se também diminuição da dor na região dorsal nessa posição quando em comparação com a posição supina. Parturientes também relataram satisfação na posição de cócoras, observando-se um favorecimento do processo de dilatação cervical (aumento do Reflexo de Ferguson) e descida fetal, bem como diminuição da dor. Os estudos analisados também demonstram que o livre posicionamento da parturiente diminui o uso de medicamentos no TP e parto. Conclui-se que o livre posicionamento da parturiente durante o TP e parto mostrou-se benéfico tanto no alívio da dor, quanto no favorecimento da dilatação cervical e descida fetal. Além destes benefícios, as parturientes relataram maior satisfação por sentirem-se mais ativas. Este MNF pode ser considerado um recurso simples de ser utilizado dentro dos serviços de saúde, demonstrando, assim, a importância de orientá-lo desde a atenção pré-natal, informando as gestantes de todas as suas vantagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
LEMES, C.; PEREIRA SOUZA, B.; ANTUNES SIGARAN, L.; KAMAL AYED JUDEH, H.; EDUARDA SCHOTT, M.; ALENDE PRATES, L. A INFLUÊNCIA DO POSICIONAMENTO DA PARTURIENTE NO ALÍVIO DA DOR DO TRABALHO DE PARTO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.