O USO DA ROPIVACAÍNA NO ALÍVIO DA DOR DO TRABALHO DE PARTO: REVISÃO DE LITERATURA

  • Nurielen Santos
  • Milena Dal Rosso Cruz
  • Geovana dos Santos Nunes
  • Isadora da Silva Mesquita
  • Rhayanna de Vargas Perez
  • Lisie Alende Prates
Rótulo Saúde, mulher, Dor, parto, Manejo, dor, Analgesia

Resumo

A ropivacaína é um anestésico local de longa duração, com início de ação moderada à rápida. Não deve ser administrado por via intravenosa, pois pode causar sintomas de toxicidade no Sistema Nervoso Central. Por fim, salienta-se que é um fármaco utilizado para alívio da dor no trabalho de parto e parto. O objetivo deste trabalho é analisar as evidências científicas sobre o uso da ropivacaína no alívio da dor do trabalho de parto. Para isso, está sendo desenvolvido estudo de revisão integrativa, o qual compõe a etapa inicial do projeto de pesquisa Métodos não farmacológicos de alívio da dor do trabalho de parto e parto sob a perspectiva da equipe de enfermagem de uma maternidade na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. A revisão está sendo desenvolvida na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), PubMed e Scopus. Para elaboração da questão de pesquisa e estratégias de busca nessas bases, utilizou-se o mnemônico PICo, sendo o P a população (parturientes), o I a intervenção pesquisada (métodos farmacológicos) e o Co o contexto (trabalho de parto). A questão da revisão é quais as evidências científicas sobre os métodos farmacológicos de alívio da dor no trabalho de parto?. Foram utilizados 18 descritores e 7 palavras-chave relacionados à temática para realizar o levantamento dos estudos. Os critérios de inclusão envolvem estudos primários, nos idiomas português, inglês ou espanhol. Os critérios de exclusão abrangem as produções que não respondem a questão de pesquisa. Não foi utilizado recorte temporal. Até o momento, foi realizada a busca e análise da BVS e o trabalho em tela concentrou-se nos achados quanto ao uso da ropivacaína. Na BVS, foram identificados 79 estudos, dos quais nove foram incluídos por atenderem os critérios de inclusão. Dessa forma, estudo em que foi utilizado 15 mL de 0,125% de ropivacaína verificou alívio da dor materna durante a analgesia epidural. A ropivacaína também foi identificada na literatura associada à clonidina. Contudo, essa associação apesar de gerar conforto à parturiente, demonstrou interferência na capacidade neurológica e adaptativa do recém-nascido. Outra pesquisa em que utilizou-se analgesia peridural com ropivacaína a 0,2% (14 mg) e sufentanil (10 µg) sinalizou a ocorrência de efeitos adversos durante o período de avaliação, como sedação e prurido. No que se refere à ropivacaína, observou-se que ela pode contribuir para o alívio da dor durante o trabalho de parto. Todavia, precisa ser utilizada com atenção devido aos efeitos que pode gerar à mulher e ao recém-nascido.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
SANTOS, N.; DAL ROSSO CRUZ, M.; DOS SANTOS NUNES, G.; DA SILVA MESQUITA, I.; DE VARGAS PEREZ, R.; ALENDE PRATES, L. O USO DA ROPIVACAÍNA NO ALÍVIO DA DOR DO TRABALHO DE PARTO: REVISÃO DE LITERATURA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.