ATUAÇÃO DE ENFERMEIROS E MÉDICOS FRENTE AO DIAGNÓSTICO DE DOENÇA RENAL CRÔNICA

  • José Mariano
  • Talita De Carvalho Leal
  • Vanessa Braz Silva
  • Raquel Potter Garcia
  • Bruna Sodre Simon
Rótulo Atenção, Primária, Saúde, DRC, Enfermeiros, Médicos

Resumo

A Doença Renal Crônica (DRC) se caracteriza pela perda progressiva e irreversível da função renal, de forma assintomática, levando as pessoas a um diagnóstico tardio, já com perda significativa. Destaca-se a importância do diagnóstico precoce, reconhecendo as pessoas sob o risco de desenvolvimento da doença e identificando os fatores de pior prognóstico, evitando sua progressão rápida. Objetivou-se conhecer a atuação de enfermeiros e médicos da Atenção Primária à Saúde frente ao diagnóstico da DRC. Foi realizada uma pesquisa de campo qualitativa, no período de maio a junho de 2019 com 12 enfermeiros e 11 médicos da atenção primária à saúde. O cenário constituiu-se de 14 equipes de Estratégia e Saúde da Família (ESF) e mais uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de um Município da Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Incluíram-se os profissionais com mais de seis meses de atuação na unidade. Excluíram-se os profissionais que estavam em licença de qualquer natureza e férias. Não houve recusas para participação. A coleta de dados ocorreu por entrevistas semiestruturadas, sendo gravadas em áudio, transcritas e analisadas pelo modelo espiral de Creswell. O estudo foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa número 2.976.580. Como resultados identificou-se que atuação dos médicos e enfermeiros na atenção primária à saúde, no que tange ao diagnóstico da DRC é adequado, os mesmos seguem corretamente as diretrizes do Ministério da Saúde o que é imprescindível para um prognóstico efetivo. Transparece pelos profissionais o conhecimento com relação ao método diagnóstico, a importância de sua precocidade, os agentes causadores e a classificação da doença em estágios, por conseguinte a escolha do tratamento ideal. O diagnóstico da DRC é realizado pelos profissionais por meio de exames de sangue solicitados na ESF, os quais subsidiam o cálculo da Taxa de Filtração Glomerular, e a classificação dos pacientes conforme o estágio da doença, sendo as condutas seguidas a partir dessa classificação. O conhecimento dos causadores da DRC são relevantes para atuação dos médicos e enfermeiros frente ao diagnóstico da DRC, sendo que os participantes elencaram os principais como a hipertensão arterial sistêmica (HAS) e o diabetes mellitus (DM), além da aterosclerose que também foi citada como uma das causas. Ficou explícito, por meio dessa pesquisa que a atuação de enfermeiros e médicos da Atenção Primária à Saúde frente ao diagnóstico da DRC demonstra-se adequada para classificação e etiologia das pessoas com doença renal. Embora existam outras situações frente as etiologias citadas pelos profissionais, que também podem ocasionar esse adoecimento, a atuação dos médicos e enfermeiros nos problemas centrais demonstram comprometimento com a população.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
MARIANO, J.; DE CARVALHO LEAL, T.; BRAZ SILVA, V.; POTTER GARCIA, R.; SODRE SIMON, B. ATUAÇÃO DE ENFERMEIROS E MÉDICOS FRENTE AO DIAGNÓSTICO DE DOENÇA RENAL CRÔNICA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.