AQUECIMENTO PASSIVO DOS PÉS MELHORA A SENSIBILIDADE CUTÂNEA E O CONTROLE POSTURAL

  • Mathias Machado
  • Álvaro Sosa Machado
  • Eliane Celina Guadagnin
  • Felipe Pivetta Carpes
Rótulo Equilíbrio, Temperatura, Propriocepção, Biomecânica, Neuromecânica

Resumo

Um controle postural prejudicado está associado a maior risco de quedas. A sensibilidade dos pés parece ser um dos fatores que influenciam a capacidade do controle da postura em pé, ao mesmo tempo que a temperatura tem se mostrado um fator determinante na mudança da sensibilidade cutânea. Mecanorreceptores dispostos na pele ajudam a detectar oscilações do centro de massa e contribuem para a execução de respostas reativas. Os mecanoceptores dos pés dependem também da rigidez do tecido cutâneo. A rigidez destes tecidos pode ser manipulada com mudanças na temperatura, o que acabaria permitindo uma maior maleabilidade do tecido e uma melhor condição para mecanoceptores atuarem. O quanto a sensibilização com aquecimento ajuda, bem como quais regiões podem contribuir mais para a ação dos mecanoceptores é um tema de interesse na prática clínica. O aquecimento dos pés pode também ser uma intervenção de fácil acesso e baixo custo para populações com déficits de controle postural. Nesse estudo determinamos a influência do aquecimento passivo de diferentes regiões dos pés sobre a sensibilidade e o controle postural. Participaram do estudo 22 adultos jovens, sendo 11 mulheres. Os participantes tiveram somente a sola do pé ou a sola e também o dorso do pé aquecidos com luz infravermelha em intensidades e tempos padronizados. Antes de depois das sessões de aquecimento mensuramos a sensibilidade tátil e o deslocamento do centro de pressão corporal (COP) na posição estática em pé de olhos abertos (OA) e de olhos fechados (OF). Ambos os protocolos de aquecimento promoveram um aumento da temperatura da pele de 5-6ºC e aumentaram a sensibilidade plantar. Contudo, quando o dorso dos pés também foi submetido ao aquecimento, um maior aumento foi notado na sensibilidade. Após o aquecimento, a oscilação mediolateral e a velocidade do COP diminuíram em OA (p=0.013, p<0.001) e a área do COP e a velocidade do COP com OF diminuíram (p<0.001, p=0.026). A sensibilidade dos pés parece depender da área aquecida, enquanto que o controle postural melhora igualmente independente da quantidade de área do pé sendo aquecida. Concluímos que o aquecimento passivo dos pés parece ser uma estratégia eficaz para melhorar o controle postural, sendo uma alternativa para práticas clínicas, como por exemplo, sessões de terapia em que tarefas posturais sejam necessárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
MACHADO, M.; SOSA MACHADO, ÁLVARO; CELINA GUADAGNIN, E.; PIVETTA CARPES, F. AQUECIMENTO PASSIVO DOS PÉS MELHORA A SENSIBILIDADE CUTÂNEA E O CONTROLE POSTURAL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.