DIODOS EMISSORES DE LUZ POTENCIALIZAM AÇÃO ANTIOXIDANTE E A FITORREMEDIAÇÃO DO 2,4-D POR PLECTRANTHUS NEOCHILUS

  • Murilo Carriço
  • Marina Diaz Rodrigues
  • Mateus Cristofari Gayer
  • Elton Luiz Gasparotto Denardin
  • Rafael Roehrs
Rótulo 2, 4-D, Boldo, gambá, LED, azul, herbicida, estimulação

Resumo

O ácido 2,4-diclorofenóxiacético (2,4-D) é um herbicida utilizado em diversos cultivos no Rio Grande do Sul. Seu uso inadequado leva à deriva e lixiviação, causando toxicidade em organismos não alvos. O P. neochilus tem a capacidade de remediar o 2,4-D, mas não com alta eficiência, devido a toxicidade causada pelo herbicida. A fotoestimulação é uma estratégia para amenizar o estresse e aumentar sua eficiência, pois a qualidade da luz influencia no metabolismo primário e secundário das plantas, melhorando sua saúde durante a fitoremediação. Desta forma, buscamos avaliar a influência da fotoestimulação por LED azul no potencial antioxidante e fitorremediação de 2,4-D por P. neochilus. Os tratamentos consistiram nos grupos: controle com água contendo o herbicida (CHb), para a verificação da degradação natural do herbicida; grupo fitorremediação (GFt), contendo água fortificada e 2 mudas de P. neochilus, para a verificação da fitorremediação; e o controle de P. neochilus (CPn), para avaliar a variação no metabolismo secundário da planta. Foi realizado um tratamento com luz natural e outro apenas com luz de LED azul em uma capela com fitas de LED azul fixadas internamente, previamente forradas com folhas de alumínio e com ciclo claro escuro de 12 h em triplicata. Foi avaliado o potencial antioxicante pelo Poder de Redução do Ferro (FRAP), compostos fenólicos totais (Folin-Ciocateu) e os flavonóides totais (Cloreto de alumínio). Os tratamentos foram realizados em frascos com 500 mL de água na concentração de 2.418 kg/há de 2,4-D (Aminol 806). Coletas de 10 mL em 0, 7, 14, 21 e 28 dias de tratamento foram feitas, para o acompanhamento por HPLC-DAD da degradação do herbicida. Os resultados foram expressos em média ± desvio padrão e comparados utilizando ANOVA de uma via com pós teste de Tukey. Foi encontrado diferença significativa na concentração de 2,4-D entre CHb (0,37 mg/L) e GFt (0,71 mg/L) apenas em 28 dias com luz de LED azul (P < 0,01), enquanto CHb (0,64 mg/L) e GFt (0,71 mg/L) em luz natural não obtiveram diferença. Os resultados do potencial antioxidante estão expressos em porcentagem de variação em relação ao CPn. O tratamento GF com LED azul teve um aumento (10,52%) enquanto o de luz natural reduziu (20,52%) (P < 0,01). Não encontramos diferença significativa nos níveis de compostos fenólicos totais. A concentração de flavonoides totais aumentou no tratamento com luz de LED azul em GFt (45,08 mgER/L) comparado a CPn (34,37 mgER/L) (P < 0,05) e sem diferença nos tratamentos de luz natural. A luz de LED azul estimulou o P. neochilus na fitorremediação do herbicida a níveis significativamente menores que no tratamento com luz natural. O aumento nos níveis de flavonoides estimulada pela luz de LED azul foi um fator que contribuiu para a saúde da planta, aumentando o potencial antioxidante de P. neochilus no tratamento de fitorremediação com luz de LED azul.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
CARRIÇO, M.; DIAZ RODRIGUES, M.; CRISTOFARI GAYER, M.; LUIZ GASPAROTTO DENARDIN, E.; ROEHRS, R. DIODOS EMISSORES DE LUZ POTENCIALIZAM AÇÃO ANTIOXIDANTE E A FITORREMEDIAÇÃO DO 2,4-D POR PLECTRANTHUS NEOCHILUS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.