DERMOPLASTIA COMO FORMA PREVENTIVA DE DOENÇAS MICROBIOLÓGICAS E RESPIRATÓRIAS EM UM CÃO: RELATO DE CASO

  • Matheus Soares
  • Caroline Castagnara Alves
  • Francisco de Assis Araújo Camelo Júnior
  • Eduardo Gonçalves da Silva
  • Mario de Castro Magalhães Filho
  • Paula Priscila Correia Costas
Rótulo Correção, cirúrgica, Dermoplastia, Síndrome, Braquicefálica

Resumo

Cães braquicefálicos têm se tornado cada vez mais populares como animais de companhia. A combinação de deformidades anatômicas, como estenose de narinas, prolongamento de palato mole e eversão de sáculos laríngeos proporcionam o aumento da resistência à passagem do ar nas vias aéreas superiores, caracterizando a síndrome braquicefálica. O esforço inspiratório elevado pode promover alterações pulmonares, cardíacas e gástricas. A presença do excesso de pregas cutâneas na região nasal dos braquicefálicos é um fator intensificador dos sinais clínicos, podendo levar o paciente a um quadro de angústia respiratória. Além disso, propicia-se um importante meio para o crescimento de culturas microbiológicas. O tratamento de escolha para síndrome braquicefálica é a correção cirúrgica, variando o procedimento de acordo com as alterações apresentadas. Assim, o objetivo do presente trabalho é relatar o tratamento cirúrgico de dermoplastia em um Pug que apresenta diagnóstico de síndrome braquicefálica associado a alteração cutânea acima das fossas nasais, potencializando angústia respiratória e desenvolvimento de doença cutânea fúngica. O caso relatado foi atendido no Hospital de Clínicas Veterinárias da UFPel e trata-se de um cão da raça Pug, macho, com 7 anos da idade e peso de 12,6 kg. O paciente já apresentava diagnóstico de síndrome braquicefálica e durante a anamnese relatou-se que o cão apresentava dificuldade respiratória ao exercício e a noite. No exame clínico, constatou-se sobrepeso, comportamento ansioso e demais parâmetros fisiológicos. No exame físico específico pode-se observar estenose bilateral dos orifícios nasais, prolongamento de palato e presença de uma prega cutânea significativa acima do nariz, dificultando sua respiração e facilitando o aparecimento de dermatopatias de origem fúngica. Foram solicitados exames complementares ao paciente, onde a radiografia foi sugestiva de prolongamento de palato mole, o hemograma e bioquímico apresentaram-se dentro da normalidade. Paciente foi encaminhado para o procedimento cirúrgico. Após preparação e estabilização de plano anestésico, ele foi posicionado em decúbito esternal com a cavidade oral aberta, preparado a antissepsia e realizado o procedimento de dermoplastia. Iniciou-se pela incisão em elíptico ao redor da prega cutânea acima do nariz, feito a divulsão dos tecidos, remoção do excesso de tecido e hemostasia dos vasos. Por fim, foi executado a redução do espaço morto com fio nylon 3-0 em padrão contínuo simples e dermorrafia com fio nylon 3-0 em padrão intradérmico. No pós-operatório, foi prescrito o uso de dipirona, cloridrato de tramadol, prednisolona e enrofloxacina, além do uso do colar elizabetano e limpeza dos pontos. Após 10 dias o animal retornou para uma nova avaliação, no qual constatou-se que as bordas da ferida cirúrgica se encontravam coaptadas, demonstrando cicatrização e eficácia da técnica cirúrgica utilizada uma vez que proporcionou melhor qualidade respiratória ao paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
SOARES, M.; CASTAGNARA ALVES, C.; DE ASSIS ARAÚJO CAMELO JÚNIOR, F.; GONÇALVES DA SILVA, E.; DE CASTRO MAGALHÃES FILHO, M.; PRISCILA CORREIA COSTAS, P. DERMOPLASTIA COMO FORMA PREVENTIVA DE DOENÇAS MICROBIOLÓGICAS E RESPIRATÓRIAS EM UM CÃO: RELATO DE CASO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.