HIPOTIREOIDISMO EM UMA CADELA

  • Caroline Alves
  • Eduardo Gonçalves da Silva
  • Thaíssa Gomes Pellegrin
  • Matheus De Azevedo Soares
  • Michaela Marques Rocha
  • Paula Priscila Correia Costa
Rótulo Endocrinopatia, Glândula, tireoide, Metabolismo

Resumo

O hipotireoidismo é a endocrinopatia mais comum em cães, porém de diagnóstico complexo. É causado por alterações estruturais e funcionais na glândula tireoide, que causa deficiência na produção dos hormônios tiroxina (T4) e triiodotironina (T3). Pode ser primário, secundário ou terciário, sendo a forma primária a mais comum, causada pela destruição progressiva glandular. É mais frequente em cães de meia-idade e estima-se que acomete aproximadamente 30% dos cães de 4 a 6 anos. Os sinais clínicos da doença são muito variados, podendo apresentar sinais dermatológicos, neuromusculares, metabólicos, como intolerância ao exercício, intolerância ao frio, ganho de peso, letargia e outros. Como diagnóstico, é importante associar anamnese, exame físico, exames laboratoriais de rotina e os exames hormonais, como T4 e hormônio liberador da tireotropina (TSH). Assim, o objetivo desse trabalho é relatar um caso de hipotireoidismo em uma cadela. Foi atendida em uma clínica particular em Fortaleza (CE), uma cadela de sete ano de idade, com 36kg, da raça Dálmata. A queixa do tutor foi de ganho de peso, pelos opacos e quebradiços e que a cadela apresentava uma expressão triste. Dessa forma, foram solicitados os exames complementares bioquímicos: colesterol total, triglicerídeos, fosfatase alcalina, ureia e alanina aminotrasnferase. Além disso, também foi solicitado as dosagens hormonais de T4 livre e total e TSH. Como resultados, a paciente apresentou aumento de colesterol total (hipercolesterolemia) e de triglicerídeos (hipertrigliceridemia) e o restante dos parâmetros analisados estavam dentro do fisiológico para a espécie. A hipercolesterolemia em jejum é encontrada em cerca de 75% dos pacientes com hipotireoidismo e, assim como a hipertrigliceridemia, é causado pela diminuição do metabolismo, que leva a redução da excreção de colesterol e redução na conversão de lipídios em ácidos biliares. Também foi constatado diminuição do hormônio T4 livre e T4 total, além do aumento sérico do hormônio TSH. Assim, a paciente foi diagnosticada com hipotireoidismo. A dosagem de T4 total e T4 livre serve para avaliação da função da tireoide, sendo muito importante para o diagnóstico. O aumento do TSH na doença é explicado porque a redução do nível de hormônios tireoidianos livres leva a produção de TSH pela hipófise, sendo importante quando for dosado, o associar a dosagem de T4 livre ou T4 total, como foi realizado nesse trabalho. Assim, é concluído que a paciente desse relato apresentava hipotireoidismo, pois os sinais clínicos da paciente e os dados encontrados nos exames complementares corroboram com a literatura sobre a doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-20
Como Citar
ALVES, C.; GONÇALVES DA SILVA, E.; GOMES PELLEGRIN, T.; DE AZEVEDO SOARES, M.; MARQUES ROCHA, M.; PRISCILA CORREIA COSTA, P. HIPOTIREOIDISMO EM UMA CADELA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 12, n. 2, 20 nov. 2020.